29 maio 2012

Fusão: será mesmo que o céu é o limite???



Este é um daqueles assuntos cujas possibilidades de discussão são infinitas: existem limites para fusão???? E não estou falando da capacidade infinita da mente humana de inventar soluções para qualquer coisa que seja. Depois de assistir tantas fusões com dança do ventre, algumas que beiram o ridículo, ainda fico na dúvida sobre o quanto podemos misturar de duas formas de arte sem descaracterizar uma delas e, pior, fazer uma versão caricata da outra. 

Inspiradas em nossas colegas do ballet, da dança contemporânea, acreditamos ser possível assimilar em pouco tempo qualquer tipo de linguagem corporal, e, de uma inspiração simples fazer acontecer uma coreografia de fusão. Não disseram que quem pratica um tipo de dança, está apto a praticar todas? Eu mesma já ouvi essa pérola mais de uma vez. E seria ótimo se fosse verdade. No entanto, o risco de fazer uma conFusion é inerente a qualquer praticante de dança que não domine o estilo que se deseja fusionar.

Não acredita????

So you think you can dance - Fusão "world dance" com ênfase em bellydance



Bailarinos extremamente bem ensaiados, movimentos muito harmônicos, porém, a bellydance saiu pra ir no banheiro e não voltou durante a apresentação. E embora os jurados tenham rasgado a seda em elogios para o casal, eu achei que a apresentação não tem nada com nada.

Utilize o argumento "Fusion Bellydance" na caixa de pesquisa do youtube, e bem vindo ao show de horrores:

- Mambo Bellydance



- Cleopatra Bellydance




- Bellydance, Rock, Burlesque e mau gosto



- Bellydance Hula - ou o que acontece quando se "chupinha" a coreografia das Bellydance Superstars...

 


Para que o "empreendimento fusão" seja bem feito, é preciso investir esforço e tempo em aprender da outra linguagem que se deseja utilizar. Não apenas para estimular a criatividade e aproveitar do melhor que as duas danças juntas podem oferecer, mas também em sinal de respeito aos praticantes da outra modalidade. Como praticante de dança do ventre, gosto de ver fusões bem feitas com a minha dança, e fico bolada quando a "maltratam". Tenho certeza de que não é só comigo. 

Porém, nem tudo são espinhos nessa seara: existem aquelas uber bailarinas que dominam diversos tipos de linguagem e podem apresentar fusões que são obras de arte. E quando acontece uma fusão perfeita, feita por uma especialista nos dois tipos de dança, aí é verdadeiramente SUBLIME:

- Ebony - Hip Hop Bellydance




Percebem a diferença?

Beijos a todas!!!!





22 maio 2012

Conversa pra mais de metro: Entrevista com Suheil na noite de autógrafos


Olá meninas!!!

Antes de falar da entrevista, gostaria de compartilhar uma alegria com vocês:

Desde domingo vocês estão visualizando na barra ao lado um selinho do Vejablog.com.br, que cataloga os melhores sites e blogs do Brasil. Em 20/05/2012 o Amar el Binnaz foi selecionado como um dos melhores blogs do país, e está figurando como destaque na página principal do site. Essa conquista não é só minha, é de todas nós. Agradeço de coração a todas as leitoras e amigas, vocês são a razão desse cantinho existir. Sintam-se abraçadas e beijadas!

Clique na imagem para visualizar em tamanho maior.


No último sábado, dia 19/05/2012, foi a noite de autógrafos do Glossário de Dança do Ventre, de autoria da Suheil, cujo lançamento na internet foi o acontecimento do ano de 2012 que tem sérias chances de levar o prêmio Amar el Binnaz - Melhores do Ano como sendo o maior baphão do ano. Pra variar, eu estava trabalhando no dia (é neguinha, vai pensando que é fácil... ), porém eu já havia perdido a festinha de lançamento... seria difícil justificar a ausência na noite de autógrafos. Assim sendo, depois de trabalhar desde a 7 da matina no meu serviço "secular", lá fui eu para o Shangrilá para a noite de autógrafos, sem glamour, nem maquiagem, nem dignidade....


Primeiramente, gostaria de dizer que para conversar com a Suheil, é preciso estar preparado para ouvir porque ela faaaaala horrores. É fácil perceber que ela dedicou boa parte de sua vida a ensinar, porque 100% do que ela fala é útil para estudo. Alma de professora mesmo. E mesmo eu sendo uma crítica de algumas nomenclaturas do glossário, ao conversar com a Suheil percebo que, de fato, é necessário deixar o preconceito de lado e admitir que para imprimir uma seriedade à dança do ventre será necessária sim uma decodificação de linguagem para enquadrá-la no vocabulário universal da dança. Porém eu confesso que só consegui aceitar melhor essa informação ouvindo sua forma bem humorada de explicar as coisas.  

Nessa conversa falaremos (claro) do glossário, do Método Acadêmico e da carreira de Suheil. É uma conversa interessantíssima, eu tenho certeza de que das 6333242353512 frases que a Suheil fala (brincadeira Su!!!) com certeza, pelo menos uma irá tocar seu coração. Vamos lá????

(Fineza ignorar minha cara de cansada, acabada, destruída. Grata)



Agradeço imensamente à Sandra Reis, que foi a nossa camera woman do dia!!!

Quero saber a opinião de todas!!!

Beijocas no coração!




18 maio 2012

Uma homenagem à Warda

1940 - 2012
"O artista nunca morre, mas vive através de sua obra. E a obra resiste ao tempo."


Quem é Warda para você?

Se você começou a fazer aulas a pouco tempo, talvez esse nome não faça nenhum sentido para você.

Se você faz aulas há um tempo razoável, uns 2 ou 3 anos, às vezes até conhece, mas não pelo nome, somente como a "cantora daquela música baladi gostosa, como é o nome mesmo?".

No entanto, se você gosta de pesquisar sobre música, e conhecer as pérolas do cancioneiro árabe, esse nome, essa voz, traz muito à sua mente. Ela é Warda, cantora que nasceu na França em 1940, filha de um argelino e de uma libanesa. Começou a cantar aos 11 anos de idade. Aos 14 já gravava canções patrióticas em favor da independência da Argélia.

Aos 20 anos, Warda chegou no Egito, e sua primeira parceria no Cairo foi com o compositor Riad el Soumbati. Gravou algumas canções, inclusive com Abdel Halim Hafez, mas sempre com a política e o patriotismo como tema. 

Se casou na Argélia aos 21 anos, e parou de cantar publicamente por solicitação do marido, cantando apenas nas comemorações familiares por 10 anos. Em 1972, aos 32 anos, foi convidada pelo presidente da Argélia para cantar nas festividades do décimo aniversário da independência da Argélia, convite que foi aceito, porém com uma consequência devastadora: seu casamento acabou. 

Daí então ela passou a viver no Cairo, gravando músicas de Abdel Halim Hafez e Mohamed Abdel Wahab, entre outros. Alcançou um sucesso estrondoso, sendo considerada por alguns a substituta de Om Koulthoum. Mas o maior talento de Warda foi ser ela mesma. Cantou canções que motivaram milhares de pessoas a lutarem por sua independência. Cantou canções que ajudaram milhares de pessoas a expressarem seu amor. Cantou canções que motivaram a milhares de pessoas a desafiarem seus corpos a flutuarem na melodia.  

Ontem, dia 17/05/2012, a voz se calou para sempre. Mas estará para sempre no coração de quem ama e reverencia a música e a poesia árabe. Salve Warda!


Stevie dança "Haramt Ahebak" - by Warda




Davinia dança "Tab Wana Mali" - by Warda (versão regravada por um cantor)



Shalymar el Amar dança "Batwannes Beek" by Warda




Warda, muito obrigado por nos fazer dançar ao som de sua linda voz! As estrelas cantarão sua chegada, com certeza!!




Beijos a todas e bom final de semana.






13 maio 2012

A delicada relação da bailarina com o dinheiro




Olá meninas!!!

Me lembro como se fosse agora o dia em que comecei a trabalhar em um caixa de banco. Minha irmã, que também havia sido caixa de banco me olhou bem sério e começou a alertar como o dinheiro pode se tornar algo banal quando se manipula muito dele. E é a mais pura verdade. Quando se tem a oportunidade de se manipular, pegar na mão centenas de milhares de reais por dia, em pouco tempo você perde a capacidade de avaliar quanto é muito dinheiro e quanto é pouco dinheiro. 5 mil reais se tornam nada mais do que 100 notinhas de cinquenta reais, um bolinho de dinheiro que você guarda no fundo da gaveta do caixa. Daí você escuta que fulana comprou um carro de 50 mil reais financiado, ganhando 2 mil reais de salário por mês. Mas você, em um dia 10 da vida, manipula no mínimo 10 vezes esse valor, então dispara à queima roupa: "mas nem foi tão caro assim, é pouquinho por mês..."

Inspirada no podcast da Sala de Dança "Produção em Grande Escala", em que no final diz "Então você tem 5 mil reais em figurinos no guarda-roupa e no bolso tem quanto? 5 real, 2 real..." fiquei pensando no que leva a bailarina a banalizar o dinheiro que ganha, com uma facilidade semelhante à do caixa de banco. 

Tudo começa com uma questão cultural: na maioria dos casos, quando alguém decide assumir uma carreira artística, e expõe essa opinião a amigos e familiares, imediatamente é "elevado" a uma condição de sub-profissional, que passará o resto da vida sem dinheiro e fadado a depender de pais e amigos para sobreviver. Tenho certeza de que para essa afirmação haverá 25 pessoas falando "nossa, meus pais aceitaram super bem minha condição de viver de dança, não expressaram nem um pouquinho de preocupação", mas vou te dizer bem sinceramente: a não ser que seus pais também sejam artistas, e conheçam bem a "vida de professor/artista"  EU, pessoalmente,  NÃO ACREDITO NISSO! A família fica, sim, de uma certa forma preocupada. E a "aspirante" a viver de arte internaliza esse conceito - quem vive de arte não precisa de dinheiro, precisa de combustível para o seu potencial artístico

Nossa arte, em especial, é uma verdadeira armadilha financeira, em todos os aspectos. É um mercado que não vende apenas produtos, vende sensações, vende uma "proposta" de realização pessoal (e quem sabe, também, profissional) . No começo, é tudo tão lindo, colorido e encantador, que nem se percebe o quanto a dança do ventre consome do orçamento. Ela vai tomando percentuais inicialmente pequenos, quebradinhos,  e quando menos se espera, você está gastando 30%, 40% do seu rendimento nela. Ou seja, para viver a dança da maneira que a aluna idealiza, ela passa a subjugar sua vida social, seu conforto financeiro em nome de uma sensação de sucesso que dura 5 minutos. E o êxtase dos aplausos é tão grande, tão sublime, que minimiza todo o esforço financeiro que foi assumido para que aquele momento acontecesse. 

A aluna vai gastando cada vez mais com a dança (dinheiro, tempo, relacionamentos pessoais e profissionais), e após algum tempo, algumas esperam um reconhecimento que ninguém é obrigado a dar, uma vez que o esforço que ela vê, que ela julga fazer para dançar, ninguém mais vê. É um terreno extremamente perigoso, pois é daí que costumam surgir aquelas pessoas que se tornam amarguradas, e passam a reclamar da dança o tempo inteiro, das pessoas ligadas à dança, do mercado de dança, enfim, estão sempre prontas a dar uma palavra negativa sobre o universo de dança do ventre, quando na verdade tudo o que querem é uma "fatia do bolo" do sucesso.  

E quando a aluna "sobe de nível" para a profissionalização, essa busca pelo êxtase do aplauso, do sucesso, do reconhecimento, atua na capacidade de julgamento financeiro de algumas pessoas como um entorpecente, como uma droga, cocaína, heroína, whatevers.  E daí, não importa o valor do cachê, desde que haja olhares de admiração, não importa o valor da roupa desde que seu brilho seja refletido nos olhos do expectador, não importa que ela viva sem dinheiro e devendo para os outros, desde que sua arte esteja na "boca do povo". 

É uma verdadeira falta de respeito com toda a formação, com todo o trabalho para desenvolver os movimentos de forma perfeita, enfim, com todo o investimento pessoal para se tornar uma boa profissional. Um dos aspectos do sucesso é SIM conseguir mensurar quanto retorno financeiro sua profissão traz para você. E isso quer dizer escolher bem os trabalhos, saber valorizar o próprio trabalho através de um cachê digno. Quer dizer que "tudo bem" gastar R$ 10.000,00 para viajar ao Egito e ter aulas com os mestres no berço da dança, e cobrar R$ 50,00 de cachê por 4 horas de trabalho, com a justificativa manca de que serve como "vitrine" para o trabalho? Então é isso? O almejado "sucesso" na dança do ventre significa se submeter a um cachê indigno para ser considerado um profissional de qualidade? Hum... 

Além disso, é preciso reinvestir o dinheiro no próprio mercado de dança com responsabilidade - estou falando da reciclagem profissional com workshops e também com figurinos de dança. Se conscientize de que em cada realzinho seu tem suor, tem dores musculares, tem bolhas nos pés, tem horas longe da família, tem discussões com o namorado, tem caras aulas particulares e workshops internacionais - é absolutamente precioso. E deve ser gasto com o maior cuidado. Quantas aulas você terá que dar, quantos shows terá que fazer para pagar um figurino de 1.200 Reais? Esqueça o brilho dos strass nos olhos dos expectadores, pense como um profissional que tem contas para pagar no final do mês e precisa "fazer virar" para não atrasar nada. É CARO SIM. Mas por que tem gente que cobra esse valor por um figurino? Porque tem gente que paga. Porque como eu disse lá em cima, quem vende um figurino neste preço, não está vendendo uma roupa, está vendendo um status de "bailarina PHODA da roupa egípcia", está vendendo uma ilusão de sucesso.  E pensando assim, quanto é caro? Nada é caro. Nós é que estamos erradas em vincular nossa carreira na dança a uma porcaria de um strass. 

Neste ponto, concordo com a Hanna Aisha: somos muito amadoras. Até quando???

Beijos a todas, boa semana!!!




09 maio 2012

0

Novo Sorteio no Amar el Binnaz - Finalmente!!!!

Olá meninas!!!

Finalmente saiu um sorteiozim pras minhas queridas leitoras. Vou falar sério com vocês: eu fico AGONIADA quando não sobra tempo nem $$$ pra rolar um giveaway aqui no blog, me sinto muito em dívida. Vocês leitoras são extremamente carinhosas comigo, e merecem cada presente sorteado aqui no blog!

Isto posto, vamos ao sorteio:


Os prêmios deste sorteio são:

Revista + DVD Pratique! Dança do Ventre com Lulu Brasil da Case Editora (que hoje em dia virou mosca branca do olho azul); 
Caderno personalizado de Dança do Ventre da Shimmie;
Mini paleta 3D da Luisance;
Pigmentos réplica da MAC nas cores Juxt e Naked;
Espuma modeladora da marca espanhola LLONGUERAS
Necessaire de oncinha da marca Too Faced.

Como participar:

Sendo seguidor do blog e se inscrevendo na caixinha abaixo:





Para garantir um "segundo voto", já que na caixinha permite apenas uma inscrição por e-mail, basta compartilhar a foto que será divulgada no meu Facebook. 

As inscrições para o sorteio começam hoje e vão até o dia 08/06/2012, sexta feira. O resultado será divulgado no dia 09/06/2012, sábado. 

Cerrrrrrrteza que vc não deve deixar de participar! Os prêmios são mara, a vídeo aula da Lulu é imperdível e vc não pode ficar fora dessa!

Boa sorte a todas!!!!


07 maio 2012

Bailarinas do Brasil - Nuriel el Nur - RN


Já aconteceu com vocês a sensação de orgulho quando um conterrâneo alcança qualquer tipo de sucesso na vida? Pois é, eu sou assim. Adoro ver meus conterrâneos bem sucedidos, me dá um orgulho danado dizer "ah, vc viu a fulana? É da minha terrinha." E minha terra amada e querida é São Paulo, mas me considero também paraibana, terra de seu Moreira "A lenda" (que Deus o tenha no Hitz Paris do céu), e potiguar, terrinha querida de minha mãe. Não preciso nem dizer que encho o peito de orgulho ao ver Nuriel dançar.

Nuriel dança no vídeo "Oitos, ondulações e redondos", o 3o. da série de vídeo aulas da Lulu lançado em 2002. Na vídeo aula sua "missão" é fazer uma demonstração do oito pra cima, e ela capricha demais nos sinuosos e nos movimentos serpenteantes do corpo. Mas sua dança não está limitada a isto de jeito nenhum. Ela consegue fazer uma mistura deliciosa entre a delicadeza característica das pupilas de Lulu e a alegria típica do nordestino. 

O primeiro ponto a se destacar no trabalho de Nuriel é a escolha do repertório. Interessante como ela dança sempre uma versão diferente daquela música mais conhecida. Em uma pesquisa de 5 minutos no youtube vi versões interessantíssimas de Ana Fi Intizarak, Leylat Hob, Enta Omri, um cocktail de Om Koulthoum e  2 versões diferentes de Alf leyla we leyla.  

Sua leitura musical é diferenciada pelo fato de que ela detém um controle absurdo dos movimentos, e consegue   que acentos muito pequenos tenham um grande impacto visual. Os movimentos dela não possuem uma grande amplitude, mas não perdem em nada para os quadris nervosos que fazem nossos olhos brilhar. E sua dança possui uma fluidez diferente, reverbera o bater do tambor que reside na alma do nordestino, é um gingado totalmente particular. A única fusão que Nuriel realiza em sua dança é da tradição egípcia com suas raízes nordestinas, e o resultado é maravilhoso de se assistir. 

Pra quem gostar de uma racks sharqi na versão "original", pode procurar no tubão que vc irá se deliciar. 

Com vocês: Nuriel el Nur











Beijos a todas!!!!







04 maio 2012

World Bellydance Day 2012 - Dançando com um propósito!


Todas já sabemos que dançar é bom. Porém, dançar e ajudar a quem precisa com certeza é muito melhor. 

No segundo sábado de maio, diversas escolas de dança no mundo todo celebram o "World Bellydance Day", e dedicam este dia a celebrar a arte da dança do ventre das mais diversas formas. Além de homenagear a arte, um dos propósitos do WBD é ajudar a quem precisa - um dos regulamentos da franquia é justamente que todas as ações praticadas sob a "marca" World Bellydance Day sejam revertidas em doações para instituições necessitadas.  Já foi noticiado todo tipo de arrecadação no WBD, desde alimentos, roupas, brinquedos, até doações em dinheiro. Na Malásia, em 2010, as escolas representantes do evento registraram uma arrecadação de fantásticos 10.000 dólares, tudo destinado a instituições carentes. 

A adesão ainda é bem modesta. O WBD estará sendo celebrado nos países: Austrália, Canadá, Emirados Árabes, Finlândia, Coréia, Lituânia, Malásia, Trinidad & Tobago e BRASIL. Sim, o nosso país já entrou nessa corrente de amor que transcende nosso sentimento pela dança do ventre, e o materializa em uma ação de amor pelo ser humano!

Neste ponto, o Rio Grande do Sul saiu na frente, sendo, até o momento, o único estado brasileiro a celebrar o WBD com ações sociais, com participação das cidades: Canoas, Caxias do Sul, Pelotas, Porto Alegre e Viamão. 

Em Pelotas, pelo terceiro ano consecutivo, a representante oficial do WBD é Janahina Borges. Em seu estúdio, durante todo o dia comemorativo acontecerão várias Oficinas de Dança abertas à comunidade, e à  noite será realizado um Espetáculo de Dança Beneficente. A programação está disponível através do e-mail: janahinaborges@gmail.com, e esta é uma oportunidade única. Quem é da cidade de Pelotas e pratica dança do ventre, assuma o compromisso de levar efetivamente, pelo menos,  1 pessoa para participar e ajudar a quem precisa. Se cada amante da dança do ventre conseguir mobilizar 1 pessoa que seja, o resultado já será fenomenal!

Para participar das oficinas de dança, basta doar 1kg de alimento não perecível para cada uma das oficinas. Dê preferência a alimentos que suportam um longo período de armazenamento como arroz, feijão, açúcar, farinha, macarrão, café, entre outros.

Para dançar no Espetáculo Beneficente: inscrição - 2kg de alimento não perecível.

Para assistir ao Espetáculo: basta doar 1kg de alimento não perecível

E se você é de outra cidade, e se interessou em participar do evento, ainda dá tempo. A representante no Brasil, responsável pelo credenciamento das escolas que desejam participar é Lise Bueno da Mahira Events. Se você deseja inscrever sua escola no projeto entre em contato com o e-mail lisebueno@hotmail.com - mahiraevents@gmail.com.

Faça parte desta comemoração, seja como participante, como colaboradora, divulgadora, aluna, professora... Vamos transformar nosso amor à dança do ventre em uma enorme corrente de solidadariedade e aquecer nossos corações. 

"Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade."
Cora Coralina


Beijos a todas!!!






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...