18 abril 2012

0

Mercado Persa 2012 - Concursos - Dramas e Delícias (e baphões)...

Ana Claudia Borges - Campeã Solo Profissional Master - Bailarina do Ano

Sem dúvida o assunto mais comentado, mais polêmico, porém ao tempo mais amado do Mercado Persa: os concursos. Estava comentando com minha prô Aninha, e com a Samantha no MP: muita, mas muita gente mesmo desconfia da lisura dos concursos do Mercado Persa. Porém, todo ano o número de inscritos é cada vez maior, inclusive para grupos! O que será que acontece??? Eu credito esse "fenômeno" ao fato de que, uma vez com a medalha do MP no peito, a divulgação acontece de forma gratuita na Revista Oriente, no site do Mercado Persa, enfim... é um marketing que pode trazer retorno. 

Conheço muitas, mas muitas pessoas mesmo que sonham em vencer o MP, fazem uma preparação especial, pagam aulas particulares caríssimas, figurinos idem, e no final saem decepcionadas porque desconfiam do processo de avaliação. Porém, após assistir ao MP  2012, posso dizer com certeza: algo está mudando!

Bom, pra começar eu tentei fazer um quadro com os vencedores para colocar aqui mas desisti: são muitas categorias. Esta é a razão pela qual o sábado ficou exclusivo só para os concursos. Fico pensando em grupos, como por exemplo, o Studio Giovana Franchi que levou concorrentes para a maioria das categorias: é uma verdadeira tortura o sobe e desce de palco, além da expectativa quanto ao resultado!!!

Minha única ressalva quanto aos critérios de avaliação do Mercado Persa foi no concurso juvenil, onde aconteceu o maior "acidente" no palco. A menina estava dançando bem, arrancando suspiros dos juízes, e de repente UOOOOOOOU!! Ela levantou os braços e o bustiê voou pelos ares. Não caiu nem desabotoou - ele simplesmente adquiriu vida própria e resolveu ser artista no palco do MP voando violentamente. A competidora SAIU do palco, ficou praticamente 1 minuto e meio fora do palco (a música de avaliação tem 3 minutos), e voltou, tudo isso enquanto a outra competidora estava se exibindo para os juízes. E ainda foi para a final!!!

Uma série de pataquadas que teve um final que considero injusto - a menina participar da final do concurso:
1. Da Aluna: antes de saber dançar, é preciso saber conferir o figurino, já adquirindo desde cedo um cuidado com a plástica em cena. 
2. Da Professora: que permitiu que uma aluna juvenil já com seios fosse pro palco com um bustiê de velcro sem colocar 902849052420438 alfinetes para evitar o constrangimento da aluna. 
3. Da Organização do concurso: que não parou NA HORA a música, oferecendo à competidora a chance de se recompor e dançar novamente com chances iguais de classificação para as duas meninas que estavam no palco. 
4. Dos Jurados que não despontuaram seriamente esse erro que considero gravíssimo em relação ao figurino, e ainda colocaram a competidora na final sendo que ela ficou somente metade do período em cena. 

O mais interessante foi ver o alvoroço de alfinetes que virou na coxia depois que a menina perdeu o bustiê, era professora enchendo o bustiê das alunas de alfinetes pra todo lado. Uma praticamente me derrubou enquanto estava tentando filmar e justificou "dá licença que preciso colocar uns alfinetes ali...". Enfim, fica a lição: alfinetes é o único item NO UNIVERSO para o qual não se aplica o ditado nordestino "tudo demais é muito". 

Quanto aos concorrentes, quero conversar um pouquinho sobre a aplicação da regra para o tema proposto no concurso. Pelo fato do histórico de premiação para quem descumpre o tema do concurso, tudo virou um grande bundalelê, e ninguém está mais nem aí para o tema. Por exemplo: no concurso solo juvenil o tema era "a suavidade do véu". Só uma concorrente apresentou a música lenta com movimentos cadenciados e o véu mais leve possível. O restante optou por músicas das Superstars ultra-tsunami, com véu wings, fan veil, poi veil, gira, gira, gira e... GENTE!!! Isso sem contar no fato de que a proposta do concurso era dançar a música inteira com véu, e algumas concorrentes largaram o véu na metade da música. 

Na minha opinião, descumprimento de regra do concurso é passível de desclassificação sumária. Em primeiro lugar porque a coreógrafa, seja a aluna ou a professora, têm que assumir a responsabilidade sobre sua criação. E se ela está fora do tema, é um risco assumido. Esse problema aconteceu em TODAS as categorias. 

Vamos comentar alguns concursos / resultados:

Categoria Grupo Moderno - 1o. lugar - Studio Giovana Franchi - MG



Como bem disse a Michele Pletsch do RS (que gracinha de pessoa), o concurso grupo moderno virou na verdade um concurso de véus. Pra ser moderno tem que ter véu - e não é bem por aí. Eu achei muito justa a vitória da coreografia montada por Giovana Franchi, que acertou desde a escolha da música, do figurino, a coloração do véu wings que deu um belíssimo contraste com a roupa, os desenhos em cena foram impecáveis, embora com alguns poucos erros de execução, mas o desenvolvimento foi muito criativo, e o solo de percussão no final foi a cereja do bolo. Imbatível. 

Categoria Grupo Fusão - 1o. lugar - Grupo Simone Hokama - "O Cisne negro"



Depois de um 2011 extremamente polêmico no resultado da categoria Grupo Fusão (a maioria saiu com a impressão de que era só trazer uns mano vestido de rapper e fazer qualquer coisa no palco, e a medalha tava no peito), em 2012 a vitória do grupo de Simone Hokama foi simplesmente incontestável. Novamente: escolha acertada de figurinos, os cortes na música foram PERFEITOS, e as "subidas" e "descidas" na coreografia criaram uma expectativa no público que ao final era pura euforia. Incrível, parabéns Simone Hokama pelo trabalho.

Categoria Grupo Folclórico - 1o. lugar - Cia. de Dança Munira Magharib

A maior atração do sábado no Mercado Persa, sem dúvida nenhuma é a apresentação da categoria grupo folclórico. Os grupos todos com muitos integrantes, figurinos coloridos, elementos, disposição e força na execução das coreografias e... enfim. Porém o resultado não foi o mais justo na minha opinião, os grupos masculinos estavam muito, mas muito fortes, o grupo da Nagla estava PERFEITO, e eu tive a impressão de que os jurados pensaram assim "ah, mas só os homens vão ganhar??", "ah, mas a Nagla já ganhou antes..." e ignoraram esses competidores na hora da nota! Achei que o grupo da Munira era bom, mas não era Ótimo, nem era o melhor. Infelizmente. Na minha opinião o título TINHA QUE SER do Nasser, foi o melhor grupo do dia LONGE.




Categoria Solo Juvenil - Vitória Mello

E aqui está a vencedora do solo juvenil, cujo concurso foi marcado pelo "incidente" descrito acima. Vitória foi a única a cumprir integralmente a regra proposta, merecendo a vitória. Parabéns.

Agora, ignorando um pouco o regulamento, o que foi a aluna da Jannah el Havanery na final? Nível ultra profissional, e é só uma menina! Não lembro o nome, mas fiquei marcada com a qualidade técnica da menina, que primor. Maravilhosa.






Categoria Solo Amador - 1o. lugar - Charleny Bueno

Tem muita gente me perguntando do amador, mas eu não assisti à final do concurso amador, e nem há vídeos das vencedoras no youtube. Porém conheço o histórico da Charleny Bueno que foi a vencedora, e sei que ela é uma bailarina incrível.

Categoria Solo Profissional Star - 1o. lugar - Natasha Zohar - SP.

Eliminatórias: Pelo segundo ano consecutivo, a categoria profissional star foi um FIASCO nas eliminatórias.  Podem me xingar, eu não ligo, mas é essa minha opinião. Músicas extremamente conhecidas (de novo), e gente catando cavaco (de novo). Só pode ser ansiedade, pois tamanha insegurança em cena não se justifica para bailarinas profissionais. Uma das poucas apresentações que gostei foi justamente da Natasha, não é a toa que ela levou o título.



Final: Outra categoria onde a maioria mandou às favas o tema do concurso que era justamente "dança tradicional". Gente, sem brincadeira, eu DORMI na final, tipo, pesquei feio. E o mais interessante era que eu olhava em volta, e tinha um monte de gente pescando também. A palavra era SONO. O nível técnico não tem do que se discutir, quando a música é coreografada o nível sobe em 900%, fica todo mundo perfeito e tal, mas tudo o que eu via eram pernas subindo, cambrês absurdos - uma das competidoras fez um cambrê tão escalafobético que eu fiquei com medo de ela ficar tetraplégica, juro! E eu lembrava do regulamento e pensava "ué, será que tive acesso ao regulamento do ano errado???".  Não tive. A maioria das bailarinas dançando de forma igual, só muda o cabelo, o figurino, a música e o esmalte da unha do pé (que agora vamos avaliar também, já que o battement está praticamente incorporado à dança do ventre) Olha só meninas: o fato de se dançar Tahtil Shibbak, Mashael, Cairo, Asmahan e outras não quer dizer que a dança é tradicional só por causa da música, ok? FIKADIKA.

Mais uma vez a Natasha Zohar deu um show, não só de graciosidade e técnica, mas de respeito ao regulamento. Parabéns.



Concurso Profissional Master - Bailarina do Ano - Ana Claudia Borges

Taí gente, chegou a categoria que não posso falar. Por que? Simplesmente porque a Aninha é minha professora, minha amiga querida, e eu acompanhei muito de perto a preparação para este concurso, em todos os aspectos, e sei que atrás dessa medalha tem muita, grande, absurda ralação, hematomas, dieta, investimento em figurinos, cabelo e maquiagem, enfim. Na minha opinião, mais do que merecido. E na de vocês???

Em relação à organização do concurso, achei simplesmente HORRÍVEL duas das etapas classificatórias terem apresentações de 1 minuto. O que se avalia de uma bailarina em um mísero minuto de dança??? As competidoras fizeram toda uma preparação no domingo, e nós como público nos estapeamos pra conseguir um bom lugar nas etapas finais para ver 1 minuto de dança?? Sinceramente: FALA SÉRIO!!! Fiquei plis da vida com isso.

Chega de mau humor e vamos à dança de Aninha que ela mereceu esse caneco!!!




Acredito que o Mercado Persa de 2012 foi extremamente satisfatório em relação aos concursos. Muita justiça nos resultados, somente um ou outro resultado não agradou, mas a maioria concorda com as premiações. Isso é muito importante não só para o concurso em si, mas para que se desenvolva no meio de dança um respeito maior pelo trabalho realizado pelo outro. No tipo "eu não ganhei, mas aquela que ganhou, vixxxxx, que bailarina, que coreografia, olha, merecido viu!" Isso é saudável para o meio da dança, já tão desgastado pelas eternas disputas. O que aconteceu nos bastidores para que isso acontecesse eu não sei, nem me interessa, mas o fato é que até o clima nos corredores do MP melhorou por conta desse "movimento de justiça" nos resultados. É bom, e deve ser mantido para sempre. Agora só falta os jurados serem mais generosos na avaliação escrevendo nas fichas dicas de melhora, mas isso só saberemos daqui a dois ou três meses quando as fichas estiverem disponíveis aos competidores.

NÃO GOSTEI! NÃO GOSTEI! NÃO GOSTEI! Daquelas medalhinhas pequenininhas. Cadê as medalhas de acrílico, grandes, bonitas??? Já não tem premiação em espécie nem em dinheiro, e agora nem a medalha bonita gente! Por favor né!! O valor da inscrição para o concurso só aumenta, e a medalha piora de qualidade???

Quero saber a opinião de todas, e se alguém quiser comentar outros resultados que não estão aqui, será importantissimo para que as leitoras tenham uma idéia maior do que rolou nos concursos.

Beijos a todas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...