10 outubro 2011

10

Divas da Terra Brasilis: Patrícia Bencardini


Todos nós temos um arquivo de referências pessoal, e quando queremos assistir algo relacionado a qualquer referência que nos venha à mente alguns nomes vão surgindo naturalmente. Exemplo: percussão - Soraia Zaied, flexibilidade - Mayara al Jamila, Murira Magharib, Ju Marconato, alegria: Nur, inserções de ballet: Saida, Kahina, enfim.... quando vêm à minha mente a vontade de assistir uma dança do ventre extremamente tradicional, sem afetações, sem inserções do ballet, só a beleza da tradição, o nome que surge imediatamente é PATRÍCIA BENCARDINI. 

Patrícia tem nada mais, nada menos, do que 23 anos de carreira, é jornalista e fisioterapeuta. Mas, acima de tudo, é uma bailarina formada em uma época onde não havia o excesso de informação e a necessidade de se "encaixar" que descaracteriza a dança. É autora do livro "Dança do Ventre - Ciência e Arte", lançado em 2002 pela Editora Texto Novo. Participou da novela "O Clone", e de diversas inserções na TV.

Clique aqui para comprar o livro através da Central da Dança do Ventre.

Seu estilo pode ser chamado do que a Lulu descreve em um de seus vídeos didáticos como "Khawanin" - movimentos pequenos, delicados, porém muito fluidos. Ela usa e abusa dos redondinhos para preencher as frases, valoriza as diagonais e impressiona por fazer belas leituras utilizando-se, em sua maioria, de movimentos que as "estrelas da atualidade" chamam de básicos, mas que eu chamo de tradicionais. Ao vê-la dançar é impossível não se lembrar da grande Taheya Karioka que encantou a todos com sua dança contida e feminina. 

Em tempos de pernões, giros balléticos, cambrés escalafobéticos e muitos movimentos por segundo, a dança de Patrícia Bencardini é um bálsamo para os olhos. Encante-se você também. 

  








** Este post é dedicado à Van!! Beijo Van!!!

10 comentários:

  1. Eba Verinha!!
    Obrigada... ;)
    A Patty é mesmo uma bailarina que segue tradições e acredito fazer parte do repertório de qqr estudiosa da DV nacional estudá-la pelo seu histórico e dedicação à arte.
    Tb confesso que sumi por aqui, fiquei um pouco receosa pq acho q fui mal interpretada num dos meus últimos comentários =/
    Sabe como é, para não causar mais mal entendidos o melhor é ficar quietinha por uns tempos.
    Mas estou por aqui, leio tds os posts com mto carinho pq amo este espaço q vc construiu!
    Bjs
    Van

    ResponderExcluir
  2. Acho que uma das minha primeiras fitas foi da patrícia. Eu e minhas amigasm ficamos encantada com a dissciação corporal dela. Sem contar o figuro luuuuuuuuuuuuuuxo. Sempre quiz fazer aulas com ela. Quem sabe um dia...


    Com certeza uma das principais DIVAS

    ResponderExcluir
  3. Van minha flor!!!

    Ah, fia! Aqui vc nunca é mal interpretada! Esteja à vontade para expor suas opiniões SEMPRE, vc é de casa! E qualquer perrengue a gente põe os mau humorados pra correr!!!

    Adoro te ver por aqui!!!

    Simone lindona!!

    De fato, eu deveria ter mencionado isso: que dissociação maravilhosa da Patrícia. Raro de se ver hoje em dia!!!

    Beijocassss

    ResponderExcluir
  4. A Patty é mesmo referência na dança oriental, sua arte segue a filosofia oriental. Nunca vi ninguém trabalhar os 3 triângulos como ela, Sou fã numero 1!!!

    Parabéns pelo post Vera:)
    BJus

    ResponderExcluir
  5. Olha não conhecia! Alias muito do que aprendi de dança do ventre também é a partir dos blogs (santos blogs) por isso sou viciada nesse troço rs
    Primeiro então tenho que agradecer por esse post! EU ADOREI a Patricia!!! Uma coisa muiiiiiiito gostosa de se ver!! E não posso deixar de falar dos figurinos (pq eu sou futil tbm): LINDOS! Nossa muito bom descobri-la!

    (Ps: o que são os três triângulos? do comentário acima)

    ResponderExcluir
  6. Sou suspeitíssima, pois já estudo com a Paty há 6 anos. Passei antes dela por 3 outras professoras e nenhuma preencheu o que eu buscava. A Paty não ensina só a dançar. Ela ensina a vivenciar a dança, a respeitar seu corpo e seus limites, ela tira de cada bailarina o que ela tem de melhor, mesmo quando ela acha que não tem nada, ela ensina a lidar com o mundo da dança e, acima de tudo, nos ensina a sermos autênticas e nos respeitarmos enquanto ser humano e bailarina!

    ResponderExcluir
  7. Ah minha flor! Esse seu post foi um complemento do anterior.
    Fiquei pensando, quando a gente se apaixona pela dança, geralmente o primeiro estereótipo que temos é o da Patrícia, movimentos femininos, delicados, muita ondulação de ventre, leveza. Depois de certo tempo, começamos a ver outras bailarinas, movimentos diferentes, fortes, baléticos, acrobáticos e achamos tudo aquilo espetacular. Daí, pronto, paramos pra olhar a nossa dança no espelho e o que vemos? Uma dança simples e até um pouquinho sem graça.
    Acho que no fundo, todo mundo já deve ter passado por isso, a diferença é que muitas gostam de manter a simplicidade e o tradicional, outras acham que um pouco mais é sempre melhor.
    Apesar de gostar muito de fusões e inventar um pouco, eu sou a favor do meio termo. Acho q algumas inserções na dança enriquecem, mas colocar muita coisa acaba poluindo.
    A Patrícia é um exemplo de que é possível ter uma dança linda e simples!
    Beijos!!!
    Parabéns por mais esse post maravilhoso!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Amei o post, sou apaixonada pela Patricia, a dança dela é linda, perfeita!!!

    Arrazou Verinha =D

    ResponderExcluir
  9. Agradeço a contribuição deste post, que bom ter fontes assim leais e honestas!

    ResponderExcluir
  10. Oi!

    A dança da Patricia foi a que aprendi na era pré-clone, a que chamamos "faraônica". Eu me sinto sim deslocada das performances atuais porque é muito difícil sair desse estilo que aprendi.

    Já fui MUITO encucada com isso, não sou mais. O que faço é dançar o que me faz bem, independente de ballet-ventre ou tradicional.

    Beijos

    ResponderExcluir

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...