27 outubro 2011

3

Nova Parceria + Evento da Semana + Aulas de Incentivo ao Estudo + Surpresa para quem é de Sampa

Olá meninas!!

1. Quero apresentar  a vocês a nova parceira do blog Amar el Binnaz: Izza Artigos Orientais.






A loja virtual oferece vários acessórios de dança como derbacks, lenços de quadril, bengalas, chador, além de CDs e DVDs para dança, e outros artigos como corsets (ultra sexy, adoro), bindis, incensos, baralhos para tarot, enfim. Entrega para todo o Brasil e tem opções de parcelamento no cartão de crédito através do Pag Seguro. A Isa entrou em contato comigo na segunda semana de Setembro (e postei só agora, shame on me), e para celebrar a parceria, ofereceu este lindo top para sorteio entre as seguidoras do blog: 


Estou elaborando ainda o sorteio, será divulgado nos próximos dias e será um sorteio comemorativo de 1.000 seguidoras do blog, então vocês aguardem muitos prêmios legais, incluindo esse top massa! (Eu além de usá-lo para dançar, ia usar também para cair na pista, certeza!!!)

**********************************************************************************

2. Evento da Semana - VI Festival de Dança do Ventre Ventremania em Osasco - SP. 


Acontecerá no próximo domingo o VI Festival Ventremania, organizado pela minha prô Ana Claudia Borges. O evento contará com concursos nas categorias: Infantil, Juvenil, Amador, Profissional, Duplas e Grupos, e será realizado no Teatro Municipal de Osasco, uma bela locação, confortável, e com uma estrutura muito boa. E à partir das 20 horas será o momento para nós brilharmos no espetáculo de final de ano: "Evolution - a evolução da dança do ventre através dos tempos". Se eu fosse você, não perdia, este espetáculo está sendo elaborado com tanto carinho, tanto cuidado, que tem tudo para ser inesquecível.

**********************************************************************************

3. Aulas de incentivo ao estudo - Gigi Bazar - 27/11/2011 em São Paulo.

O Gigi Bazar, vem trazer a nós, amantes da dança do ventre, um conceito pioneiro em eventos na cidade de São Paulo. Será um dia inteiro de atividades, incluindo: brechó participativo - você pode também levar sua roupa de dança para tentar vender lá, aulas e apresentações. As aulas de incentivo ao estudo foram idealizadas pela Giuliana Scorza e são uma espécie de workshop, de uma hora, com o preço simbólico de, pasmem: 15 reais!!!  É imperdível né gente. E eu serei uma das ministrantes das aulas de incentivo ao estudo, e levarei para vocês uma releitura da maquiagem de cleópatra, mas numa versão 2011 (e finalmente poderei fazer algo com a sombra azul turquesa!!!). Poxa gente, por 15 conto? Vem me ver!!!


********************************************************************************

SURPRESA BÁSICA!!!

É o seguinte meninas: eu ganhei no Festival Nacional Shimmie um convite para o show de gala de Hossam e Serena Ramzy no Brasil. Mas não poderei ir porque terei um compromisso profissional, além da preparação para o Ventremania no domingo. Então, quem for de São Paulo e tiver condições de vir até Osasco buscar o convite, entra em contato comigo no e-mail: neguinhamoreira@gmx.net ainda hoje. É isso mesmo, a primeira habiba que entrar em contato comigo ganhará o convite de presente. 

Então corre!!!

Um beijo enorme pra vocês!!!





23 outubro 2011

8

O uso dos rótulos: responsabilidade é a chave do sucesso


No dia do meu casamento, o juiz de paz antes de ler o contrato de casamento e nos passar a certidão para a assinatura, nos perguntou se aquilo era, de fato, a expressão da nossa vontade. E explicou:

"Estar solteiro é uma condição que pode durar uma vida toda. A partir do momento que vocês assinarem este documento, vocês abrem mão desta condição - nunca mais serão solteiros. Diante da lei serão casados, ou porventura divorciados, ou até viúvos, mas solteiros nunca mais vocês voltarão a ser."

Pensei na hora: "que juíz FDP!!!! Isso é coisa que se fale pra um homem na frente da certidão de casamento??" Mas tudo bem, se meu marido assinou depois de ouvir isto sem se abalar é porque ele tava mesmo a fim do assunto, KKK...

Refletindo sobre o resultado do concurso amador do Festival Nacional Shimmie, voltei a pensar sobre estas palavras, trazendo a questão para o uso dos rótulos.  

Na dança em geral no Brasil ainda não temos um método, uma prova, uma certificação reconhecida que diferencie as bailarinas amadoras de profissionais. Além do Ballet que tem uma metodologia fechada, onde uma bailarina só é considerada profissional depois de 8 anos estruturados de estudo e mais um período de estágio, nas demais danças, incluindo a nossa, a alteração do rótulo é baseada na avaliação do professor e na concepção da própria aluna. O DRT seria uma boa ferramenta para a dança do ventre neste caso, se não recaísse sobre ele um enorme descrédito pela ausência de profissionais competentes de dança oriental na banca examinadora. E essa ausência de estrutura acaba permitindo que as bailarinas assumam o rótulo de profissional sem o devido preparo para isso. 

Porém, para o mercado de dança, estruturado ou não, assumir o rótulo de profissional é assinar uma certidão de casamento. Uma vez profissional, você jamais voltará a ser amadora novamente. Por isso é importante um cuidado enorme ao assumir esse rótulo. As bailarinas profissionais podem ser as "estrelas do momento", ou podem ser "profissionais fora do mercado", ou "profissionais desatualizadas", ou "profissionais inativas", mas ao assumir as atividades que são inerentes a uma bailarina profissional, tais como cobrar cachês ou dar aulas, bailarina se submeterá a um desses rótulos, e não poderá assumir mais o rótulo de amadora. 

E assim como em outros mercados, o profissional tem que buscar sua empregabilidade, ou no caso da bailarina, sua "contratabilidade" (acabei de inventar essa palavra). Se o nível das bailarinas mais contratadas é diferente do seu, corra atrás, estude mais. Não tenha vergonha de ter aulas regulares. Infelizmente aqui no Brasil existe um mito de que bailarina quando se considera profissional não precisa mais de aulas. Porém, se ainda existe a necessidade de aperfeiçoamento, vá em frente, escolha uma mentora, tenha aulas, ensaie, trabalhe. Se você consegue ser auto didata, invista tempo em sua própria formação, assista a vídeos, elabore sequências de um nível de dificuldade maior do que você é capaz e trabalhe isso. 

Você pode escolher o rótulo de profissional em um momento errado da sua carreira, este risco é inerente a todas as bailarinas. Mas uma vez assumido o rótulo, estude e trabalhe para acompanhar as profissionais no topo da cadeia. Se todas as "profissionais" se restringirem ao seu mundinho, o resultado vai ser um mercado de profissionais de nível duvidoso, onde as reconhecidamente melhores são contratadas e bem pagas e o restante vai recebendo aquele cachê de 50 reais que não paga nem a condução para o evento. Isso te lembra alguma coisa?

Beijos a todas!! E uma excelente semana!!

20 outubro 2011

11

Meus 5 achados de beleza por R$ 15,00!!!




Olá meninas!

Fui convidada a participar desta tag pela Camilla D´Amato, bailarina incrível,  maquiadora phodástica e minha sucessora na coluna de maquiagem da Revista Shimmie. Aliás, se você não viu o smokey eyes pretão que ela fez na Revista Shimmie nr. 7 vc tá DORMINDO MEU BEM!! Altas dicas e eu recomendo muitissimo!

O grande barato dessas tags é justamente a oportunidade de conhecer produtos legais, baratos e de marcas de diversas partes do país. Para ter um bom kit de maquiagem não é preciso só $$$$, é possível adquirir produtos de boa qualidade consumindo com responsabilidade e não gastando muito dinheiro. 

Estes produtos são meus verdadeiros xodós, e podem ter certeza de que essa escolha foi feita após testes com MUITOS, mas MUITOS PRODUTOS MESMO. 

1. Batons Vult - R$ 6,50
Na minha opinião, os requisitos indispensáveis de um batom são: pigmentação, fixação e cremosidade. Não há nada mais desagradável do que passar um batom duro, ou passar um batom cuja cor não aparece na boca, ou ainda que dura só 15 minutos. Porém, a Vult conseguiu reunir os três requisitos em seu produto e criou um batom excelente. Outro ponto positivo é a gama de cores: são mais de 50 cores, das mais diferentes tonalidades. Definitivamente um produto que bate pau a pau com os batons da gringa!

2. Primer Facial Koloss - R$ 14,90
Eu tenho poros enoooormes, e antes de poder ter acesso a um bom primer minhas makes nunca ficavam legais. Mas isso foi antes de ter acesso ao Primer Facial Koloss, que suaviza os poros, controla a oleosidade e ajuda a fixar a maquiagem por muito tempo. Excelente custo benefício.

3. Pó Compacto Vult - R$ 9,00
Taí um produto com o qual sempre tive dificuldade: o pó compacto. De um lado eu estudava os maquiadores trends nacionais que diziam para usar pouco pó, e de preferência o mais fino possível para um acabamento natural. De outro lado eu estudava os maquiadores árabes, pra quem todo pó compacto do mundo não é suficiente. Sempre quis achar um pó meio termo, e encontrei! O pó compacto da Vult tem uma textura perfeita, uma excelente cobertura e dura o dia todo na pele. Eu uso dois tons diariamente, o nr. 4 em todo o rosto e o nr. 3 somente na área dos olhos. Não preciso de base nem nada. Perfeito. 

4. Lápis delineador da Payot - R$ 12,90
Olha o melhor amigo da bailarina aqui!!! Esse lápis da Payot é bem cremoso e ultra preto. Esfuma muito bem, o que é bom para usá-lo como base de sombras. Recomendo também o marrom para ser utilizado como corretor de sobrancelhas. 

5. Toalhas umedecidas Johnson´s Baby Milk - R$ 8,90
Você já ouviu falar em uma pessoa altamente viciada em maquiagem que é alérgica a demaquilantes? Muito prazer, Verinha. Eu sou extremamente alérgica a demaquilantes, e não me sobra outra opção a não ser tirar maquiagem com toalhas umedecidas (lenços são muito grosseiros, não gosto). As Johnson´s Baby Milk são excelentes porque com 1 toalhinha dá para tirar a maquiagem do rosto todo e ainda ficar com um gostoso cheirinho de nenê. 
******************************************************************************

Bom, agora tenho que convidar as amigas pra participar né? 

- Suheil do blog "Bailarina Suheil" - http://bailarinasuheil.blogspot.com/
(Vou fazer uma maldadezinha aqui: Suheil te desafio a só falar de produtos nacionais hein!!! KKKKKK....)

- Aline Dosea do grupo "Talibah" de Sergipe - http://grupotalibah.blogspot.com/



Meninas, nos contem TU-DO!!!

Ai, ai, como adoro falar de maquiagem gente!!!

Beijos a todas

17 outubro 2011

18

Festival Nacional Shimmie: Um ótimo espetáculo, grandes apresentações e gostinho de quero mais...



Organizar um evento é algo extremamente trabalhoso, desgastante e complicado. Em uma primeira experiência incluir workshop com uma mestra internacional, e outros mestres nacionais, concurso de dança, concurso de beleza, desfile de ateliê e ainda lidar com a logística de hospedagem das participantes é algo absolutamente grandioso. Mas não assustador para a equipe da Revista Shimmie que não se intimidou diante da grandiosidade do projeto. O resultado foi um evento glamouroso que dominou os subjects no Facebook hoje. 

Não pude assistir os concursos dos grupos, cheguei pouco antes do concurso de beleza "Divas". O concurso foi um pouquinho diferente do que eu esperava, eu queria que as concorrentes usassem mais passos de dança no desfile, já que é a beleza ligada à dança. Porém, a porção dança estava reservada aos figurinos exclusivos Simone Galassi que elas desfilaram. O resultado vcs conferem abaixo: 

Fonte: Facebook Shaina Nur

Durante o concurso, tive a grande honra de ficar de tradutora para a mestra Farida Fahmi, muito simpática e compreensiva! É, meu inglês funciona menos ainda quando estou muito emocionada. 


A única pessoa que vi ganhar um "VEEEEEEEEERY NICE" da Farida foi Esmeralda com o solo de percussão. Se a mestra ficou impressionada, imagina eu!!! Belíssimo solo!


Em seguida, assisti o espetáculo "Dançando com o tempo" até a metade porque estava de carona. Adorei a interpretação que a Rhazi fez da Shahrazad, as "holísticas" Suheil, Tati Lamas e Sahira Fatin, a tangueira Danna Gama, o "meio-a-meio" tribal da Giuliana Scorza... até o momento que assisti foi um espetáculo MUITO, mas muito bacana. Minha única crítica era a movimentação do corpo de baile que sentava no palco, descia do palco, ia pra direita, ia pra esquerda... achei que poluiu um pouco o intervalo das apresentações. No restante foi incrível. 

Os vídeos estarão no final do post.

O domingo foi reservado aos concursos Amador e Profissional e à festa de encerramento do Festival. Eu estava torcendo pela Mayrinha, mas uma bailarina da Paraíba roubou meu coração dançando "Nesma" do Sayed Balaha (embora ela tenha cortado a parte mais legal da música, mas abapha). Qual não foi minha surpresa ao descobrir que ela PROFISSIONAL! Ui.... O importante é que a justiça foi feita, e hoje durante o dia a Mayra Mello foi declarada vencedora da Categoria Amadora. 

E a categoria profissional hein... Só te digo uma coisa: depois que a Cristal saiu do palco, eu só consegui levantar meu queixo do chão depois de meia hora. AFFFF Maria, é muita dança. Vitória indiscutível e merecida. 

A organização do evento optou por divulgar os resultados antes  da Festa de Encerramento, o que fez muita gente ir embora e o que aconteceu? Embaixo das cadeiras haviam cupons com prêmios, então, antes da festa houve uma caça ao tesouro!!! Quem não ficou PERDEU!! Eu ganhei um convite para o show de Hossam e Serena Ramzy, que não poderei utilizar porque tenho compromisso na data. Lógico que vai ser sorteado aqui pra vocês. 

E o show foi tãaaao bonito gente! Apresentações inspiradas de Flora Pitta, que dançou Enta Omri lindamente, de Suheil, de Esmeralda e da Diva das divas Lulu que toda vez dá uma verdadeira aula de técnica e emoção!!! 

Masssss.... tá tudo aqui amor!! Claro que filmei tudo o que pude pra mostrar pra vocês. Quero comentários hein!!!























Beijos a todas!!!!

14 outubro 2011

6

Rahksa - Dança Árabe de Casal


Tão interessante quanto observar a beleza do movimento é assistir a manifestação artística da relação homem/mulher através da dança. A mensagem dos atores nesta modalidade de dança é universal: ao homem cabe demonstrar a força e a virilidade, porém, ao mesmo também exercer o papel do provedor e protetor. À mulher cabe o papel sedutor, de encantar o público com seus movimentos sinuosos e delicados, e embelezar a dança e a vida. Fernanda Matos descreve com precisão os personagens na Dança de Casal:

"O papel daquele que dança enquanto homem é o de guiar com segurança, indicando os caminhos com as próprias mãos, de apoiar o peso dos corpos e do movimento em seus joelhos e pés, pois os têm flexíveis, porém firmes; e de se conectar com o ritmo da música.
O papel daquela que dança enquanto mulher é de compreender quais são os sinais dados pelo outro; de permitir seu corpo ser guiado e apoiado, com leveza e elegância consequente da confiança, entrega, apoderamento, e liberdade; e de se conectar com o ritmo escolhido.
Ao casal, a todo instante, cabe criar a harmonia e a beleza do encontro do masculino e do feminino que dançam juntos, a cada tempo, o mesmo ritmo."

Na Dança Oriental não podemos definir a Dança de Casal como um estilo apartado, nem datar o início dessa prática - é antiga como o mundo a interação homem/mulher através da dança. E, sem sombra de dúvida, uma dança árabe de casal bem coreografada e bem executada é uma delícia de se assistir.

Infelizmente, as referências em vídeo que temos para pesquisa dessa modalidade em dança são muito poucas. Os irmãos Ali e Mahmoud Reda, grandes bailarinos são praticamente a única referência da dança masculina na prática de casal, porém os vídeos dos anos 50 que temos disponíveis no youtube possuem uma influência fortíssima da dança praticada em Hollywood nas décadas de 40 e 50 - praticamente não servem como referência coreográfica. Porém é possível achar algumas pérolas, como essa requintada sequência de Mahmoud Reda e Farida Fahmi:



Apresentação de uma releitura da coreografia "Ranet el Kholkhal" de Mahmoud Reda, dançada em 2009 pelos bailarinos Mohamed Kazafy e Nesma:




Assistindo às danças atuais, percebo uma influência muito maior dos vídeos de Abdel Ghani al Sayed e Farid el Atrashe, onde o cantor praticamente declama sua música de forma apaixonada com gestos que estimulem uma resposta da bailarina através dos movimentos, e a bailarina, por sua vez, assume uma personalidade mais graciosa, porém dançando de forma bastante contida, com movimentos pequenos e de baixo impacto, como no vídeo que veremos abaixo:




No Brasil a dança de casal ainda é uma manifestação bem tímida, mas já tem dois times bem definidos. Os que capricham na técnica e fazem uma apresentação digna de um espetáculo, e os que encarnam os papéis macho/fêmea, onde o homem faz o papel de garanhão enlouquecido e a mulher fica se esquivando das investidas do garanhão. O casal com a técnica mais apurada e a química mais explosiva na Dança Árabe no cenário nacional, sem dúvida, são Kahina e Tárik:




Na Mostra Cultural 2011, recebi do Paulo Razec o seu DVD "Danças de Casal", lançamento de 2010, e que também é o primeiro DVD no Brasil apenas com apresentações de Danças de Casal para assistir e fazer a resenha para vocês aqui no blog.



A primeira coisa que me impressionou foi a pesquisa em relação ao vestuário folclórico. Houve um cuidado grande com a caracterização de cada dança apresentada. Enquanto aprendizes e professoras, esse material é super importante para nos ajudar na composição de nossas próprias coreografias folclóricas, visto que nem sempre existe tempo hábil para uma pesquisa que nos auxilie a escolher um figurino folclórico mais fiel possível ao que é feito nos países árabes. Esse é o primeiro ponto positivo do DVD: é um bom material para pesquisa de figurino folclórico. 

A qualidade técnica das danças não tem aquela química explosiva do casal Tarik e Kahina, por exemplo mas tem apresentações muito boas, sendo que a minha preferida foi a da minha antiga professora Níjme, que dançou uma coreografia libanesa de impacto. Outra dança que curti bastante foi a apresentação de uma dança romântica com a Rhazi, que foi também apresentada no E-Ventre 2010:




No geral é um material de estudo muito interessante, e que traz outras opções de apresentações folclóricas de casal, oferecendo à bailarina variedade em seu repertório. E, quem sabe (vamos sonhar), pode fazer com que seu habib se interesse em fazer aulas para dançar com você. AWESOME!!!

Beijos à todas!!!

10 outubro 2011

10

Divas da Terra Brasilis: Patrícia Bencardini


Todos nós temos um arquivo de referências pessoal, e quando queremos assistir algo relacionado a qualquer referência que nos venha à mente alguns nomes vão surgindo naturalmente. Exemplo: percussão - Soraia Zaied, flexibilidade - Mayara al Jamila, Murira Magharib, Ju Marconato, alegria: Nur, inserções de ballet: Saida, Kahina, enfim.... quando vêm à minha mente a vontade de assistir uma dança do ventre extremamente tradicional, sem afetações, sem inserções do ballet, só a beleza da tradição, o nome que surge imediatamente é PATRÍCIA BENCARDINI. 

Patrícia tem nada mais, nada menos, do que 23 anos de carreira, é jornalista e fisioterapeuta. Mas, acima de tudo, é uma bailarina formada em uma época onde não havia o excesso de informação e a necessidade de se "encaixar" que descaracteriza a dança. É autora do livro "Dança do Ventre - Ciência e Arte", lançado em 2002 pela Editora Texto Novo. Participou da novela "O Clone", e de diversas inserções na TV.

Clique aqui para comprar o livro através da Central da Dança do Ventre.

Seu estilo pode ser chamado do que a Lulu descreve em um de seus vídeos didáticos como "Khawanin" - movimentos pequenos, delicados, porém muito fluidos. Ela usa e abusa dos redondinhos para preencher as frases, valoriza as diagonais e impressiona por fazer belas leituras utilizando-se, em sua maioria, de movimentos que as "estrelas da atualidade" chamam de básicos, mas que eu chamo de tradicionais. Ao vê-la dançar é impossível não se lembrar da grande Taheya Karioka que encantou a todos com sua dança contida e feminina. 

Em tempos de pernões, giros balléticos, cambrés escalafobéticos e muitos movimentos por segundo, a dança de Patrícia Bencardini é um bálsamo para os olhos. Encante-se você também. 

  








** Este post é dedicado à Van!! Beijo Van!!!

06 outubro 2011

11

Tudo o que podemos fazer é o que o "outro" pode oferecer?



A necessidade de pertencer persegue o homem desde o dia em que nasce até o dia em que dá o respiro final. Até quem se auto avalia como diferente deseja a inclusão em um grupo, mesmo que bastante seleto, de pessoas que buscam o individual como processo de satisfação pessoal. Sendo essa uma característica tão nata do ser humano, não seria absolutamente estranho se, na dança, estar incluído nas "tendências" fosse também parte do processo de aprendizado. 

O problema é que com o avanço da tecnologia, e a inclusão de youtube e dos DVDs na rotina de estudos da bailarina, essa necessidade de pertencer virou "vício" de pertencer. Pensando no processo de criação coreográfica, as ídéias deixaram de ser as protagonistas. O que tenho observado é que o processo criativo na dança do ventre prioriza o "outro". O que está na moda vem em primeiro lugar:
- Quais são as músicas do momento?
- Quais são os movimentos que o pessoal está realizando mais?

Posso dizer que compreendo em parte essa tendência. Desde muito cedo, nosso processo de aprendizado é direcionado para um público leigo, porém absolutamente compreensivo. E até que sejamos "jogadas" na realidade dura de uma seleção que exige uma avaliação diferente de outro profissional que não a professora, ou, por que não dizer, de comentários nem sempre tão amistosos de um jurado em concurso , vivemos com a falsa impressão de que construir uma coreografia 100% inspirada no trabalho alheio "não há de ser nada". E note que aqui não estou falando do plágio de uma coreografia inteira, já vi coreografias "colcha de retalho" onde eu conseguia identificar diversas sequências de autoria alheia.

A situação se agrava quando nos tornamos solistas. Personalidade do tamanho que despreza totalmente o que o "meio" está fazendo e leva 100% de estilo pessoal para cima do palco é um privilégio de quem vê os pés da cobra. É automático: basta ver 3 ou 4 bailarinas marcando batida com aquele cambré impetuoso que você já pensa em incluir também no seu repertório o tal do cambré, mesmo que sua coluna já esteja nas últimas.  E a cultura dos selos de qualidade, que impõe a bailarina a "adequação" de seu estilo pessoal ao que é praticado em "X" ou "Y", acaba por tolher de vez a criatividade. 


Em minha opinião é um trabalho árduo e demorado reverter esse processo. Porém não é impossível, basta que cada professora assuma sua parcela de responsabilidade e inspire a aluna a algo diferente, porém, principalmente, desafiador, sem medo de parecer inadequada. Somente a alquimía produzida pela técnica refinada, criatividade, personalidade e irreverência é capaz de despertar no expectador o que toda artista aspira ao se apresentar:  a certeza da plenitude e eternidade da arte. 

E enquanto alunas precisamos nos despir do sentimento de conformismo em sala de aula, e exigir que essa a informação que nos é fornecida, seja ela teórica ou prática, esteja acompanhada de orientação para que possamos imprimir personalidade às nossas próprias criações em dança. Além disso, é necessário absorver mais, aprender cada vez mais, e cada vez melhor para transformar toda a carga de informação que é oferecida em 100% de "você mesma" em cima do palco.  

Neste ponto, o diálogo entre aluna e professora é fundamental. Porque é a professora, através de sua experiência, de sua vivência no meio, é que encontrará o ponto de equilíbrio entre o gosto pessoal da aluna, e os desafios que são apresentados no decorrer do aprendizado de dança. E é através do processo de investigação deste ponto de equilíbrio é que ela terá a oportunidade de conhecer as caracteristicas mais marcantes da aluna, de estreitar os laços de respeito e amizade com a aluna, além de, tecnicamente, despertar o que a aluna tem de melhor a oferecer

Esqueça um pouco "do que é feito no mercado" - pense um pouco mais no público que espera ver um espetáculo, e não somente um desfile de corpos se movimentando. O público quer ver você, e não uma cópia de não-sei-quem famosa. 

Acima de tudo, assuma para si ser uma "artista" no mais pleno significado dessa palavra!

Beijos a todas

04 outubro 2011

6

Yalla Festival 2011 - Para ficar na memória!

Olá meninas...

Aconteceu no último domingo 02/10, aqui em São Paulo, o 2º Yalla Festival, evento organizado pela maravilhosa Danna Gama. E foi nesse dia que aprendi que neste mundinho bellydance podem até existir pessoas más e amargas que querem disseminar a discórdia em nosso meio, mas quando existe um profundo amor pela arte, respeito pelos profissionais que também são peça-chave na realização do evento, e um clima de harmonia e amizade, nem o pensamento mais negativo é capaz de ameaçar o sucesso do evento.

Foi exatamente o que assisti no Yalla Festival.


Clique em "Play" para ver o slide com as fotos do evento!

Quem conhece a Danna pode atestar que o carisma pessoal dessa moça é admirável.  Essa qualidade pessoal, aliada a uma organização eficiente e a participação de suas amigas que compartilharam do evento com a melhor energia possível garantiram ao Yalla uma posição de muito destaque entre os eventos realizados em 2011. Acredito que desde que a Mostra Cultural saiu da Associação Aichi para ir para o Club Homs,  eu não via aquele espaço tão lotado,  com lotação média de 90% o dia inteiro, com inscrições de várias escolas grandes de SP, e com várias bailarinas chamadas “top” marcando presença.

Os concursos do Yalla puderam contar, nos dois períodos, com um júri bastante heterogêneo e consciente da expectativa das concorrentes quanto aos apontamentos da avaliação. As fichas foram “bombardeadas” com informação e isso é bastante positivo para quem utiliza o concurso como ferramenta de aperfeiçoamento. No período da manhã (categorias: juvenil, duplas e grupos) estavam: Nagla Yacoub, Hadara Nur, Saphira Quinteiro e Clarice Bonini. Neste júri, duas representantes com uma sólida base de folclores (Nagla e Saphira), e duas representantes da versão mais, digamos, “ocidentalizada” (e, por favor, isso NÃO É UMA CRÍTICA) da dança que são Hadara e Clarice.  No período da tarde, várias “tribos” avaliaram os concursos Amador e Profissional: Fátima Braga, Esmeralda, Joelma Brasil, Giuliana Scorza e Rhazi Manat. Credito a essa mistura bem feita de profissionais com os mais diferentes estilos o fato de que todos os concursos do evento premiaram de forma incontestável. A qualquer pessoa que vc pergunte, ela responde de bate-pronto: “Foi merecido”.

Gostei bastante das mostras, no geral havia bons grupos, o que só demonstra que as escolas também retribuem o respeito à organização do evento levando grupos bem ensaiados. Como em todo evento havia algumas coisas de que não gostei nas mostras, mas posso afirmar que a quantidade de apresentações boas era muuuuito maior do que a de apresentações ruins. O meu destaque vai para uma coreografia de ballet (com jazz? Não entendo muito...) apresentada pela irmã da Danna com a música do filme Gladiador,  aquela da hora da morte do Máximus... ah, eu CHOREI LARGADO. Que apresentação intensa, extremamente técnica e absolutamente emocionante. Infelizmente ainda não está no Youtube, mas assim que estiver certamente postarei aqui pra vocês.

Outro destaque foi a apresentação da dupla Najlah el Hazine (Isete Corrêa) e Ju Pimentel, onde Isete emocionou mais uma vez a todos provando que o amor pela arte supera qualquer dificuldade física. Fiz uma entrevista com a Isete que publicarei junto com um post sobre a dança como meio de inclusão social. Aguardem!




Tenho só que parabenizar a Danna Gama pelo belíssimo evento, e desejar que o sucesso da edição de 2011 se estenda pelos próximos anos, e que outros organizadores também aprendam com o carisma e a simpatia desta bailarina. E a Associação Aichi já está ficando pequena hein!!! O YALLA É NOSSO!!!

Vamos aos vídeos dos vencedores disponíveis no Youtube:

Natasha Zohar - Shangrilá House - Categoria Profissional



Mayra Mello - Escola Top Dance - Categoria Amador



Beatriz Vaér - Academia Lídia Kardash - Categoria Solo Juvenil




Beijos a todas!

02 outubro 2011

6

O Resultado do Sorteio!

Olá meninas!!!

Chega ao final mais um sorteio aqui no Amar el Binnaz, e eu quero agradecer IMENSAMENTE a todas que participaram. Este kit é um presente meu ao aniversário do blog, e eu espero que quem ganhar usufrua bastante dos pincéis, dos produtos, mas, principalmente sabendo que é um presente que está carregado de todo o meu amor por esse espaço que enche meus dias de felicidade.

Sem mais delongas, vamos ao resultado!!!

Foram 224 inscrições, e o sistema utilizado para sorteio foi o site Random.Org.


Letícia de Oliveira Rodrigues! Parabéns!

Você tem até meia noite do dia 05/10/2011 para entrar em contato e solicitar a entrega do prêmio, ok?

E se você não ganhou... ahhhhh, não fica triste vai!! 

Lembra que eu disse que quando o blog chegasse a mil seguidoras, eu iria sortear "aquele" super kit com 34 pincéis? Então...  Aguarde que o próximo sorteio é bombástico: tem pincel, tem paleta de sombras, tem CD, tem DVD... affff... "Aguarde e confie"!!!!!


KKKK!!!

Beijos e uma ótima semana a todas!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...