29 setembro 2011

11

Dança da Leitora: Yamara Fabri no Tilim de Dendera



Olá meninas!!

Essa semana não postei porque estava com alguns problemas de ordem hidráulica em casa (leia-se entupimento), mas tudo está resolvido, então voltemos à vida normal!!!

A Dança da Leitora de hoje é com uma "mocinha do ventre", que tem um currículo de "grosso calibre".  A primeira vez que tive contato com o nome "Yamara Fabri" foi quando a Luana Mello decidiu expandir o trabalho da Troupe Eksotik após o consagrado trabalho "Dançando à Meia Noite". Quando a Lu anunciou que iria aumentar sua equipe, conhecendo seu nível de exigência com a qualidade na dança, já fiquei super curiosa para saber quem seriam as escolhidas. E Yayá foi uma delas. A partir deste momento, eu já sabia que no mínimo MUITO, MAS MUITO TALENTO essa moça já tinha, pois despertou o olhar exigente de Luana. E este ano ela ainda "faturou" o segundo lugar na Categoria Amador  no Mercado Persa.

A apresentação que iremos acompanhar é a final do concurso profissional no evento "Tilim de Dendera" que aconteceu na cidade de Guarulhos, onde a Yamara ficou em terceiro lugar. 



Embora a música tenha sido apresentada como clássica, essa música que Yayá escolheu é um baladi tradicional, essa "introdução", na realidade, é um Taksim Baladi. Sei que na maioria dos concursos este não é um item "avaliável" (existe essa palavra?), mas se a exigência fosse música clássica poderia haver uma perda de pontos aqui. 

Falando da dança em si, gostei bastante das mãos próximas ao corpo na leitura das primeiras frases e da leitura das flutuações com as ondulações e pausas. O cambré lateral LUXOR (eu adoro, também "tento" fazer) também se fez presente na introdução. A leitura musical de Yayá no Taksim é muito controlada, bem calma mesmo. Em minha opinião, achei que poderia haver um mini deslocamento para as diagonais do palco, mesmo sendo um Taksim, a movimentação poderia acontecer, mesmo que de forma discreta. 

O que me encantou de fato em sua dança é o trabalho de junção dos movimentos com os braços. Como vou explicar isso? Bem, naquela flutuação mais longa o movimento acontece no corpo, e lentamente vai se projetando aos ombros e depois aos braços, e é muito lindo de se ver em cena. A postura e os ângulos de Yayá também são impressionantes.  Sua capacidade de diferenciar o "tamanho" dos movimentos na leitura musical também impressiona. 

Uma observaçãozinha: o taksim durou fantásticos 2:40. A música tem 4 minutos. O tempo que sobra pra "mostrar serviço" com leitura percussiva acaba se tornando pouco. 

Os braços de Yayá não terminam nunca, que alongamento fantástico!

Na apresentação do ritmo, achei que ela poderia ter explorado o baladi do início em mais tempos, 3 ou 4 (não tem jeito, o baladi tradicional vai perseguir meus pensamentos até o final). Acredito que o que pode ter tirado pontos da Yayá, é que nas primeiras frases pós apresentação do ritmo, havia uma demora na retomada dos passos após a finalização das frases. É quase imperceptível, mas não havia uma "emenda" em outro movimento, sempre acaba acontecendo uma passada antes da próxima sequência, e no meu entender, isso prejudica um pouco a avaliação da fluidez na dança. 

Em algumas sequências, o acordeon estava lá gritando, pedindo uma vibração, e os movimentos estavam arredondados - no que se perde em leitura musical. Falando um pouco mais de leitura musical, algumas finalizações de frases estavam bem proeminentes - havia aquele TÁ, e ela fazia o TÁ, e algumas nem tinham o TÁ, e mesmo assim ela fazia o acento forte. E algumas outras frases ficaram sem finalização. 

Em uma avaliação geral, a música cadenciada prejudicou o desempenho da Yayá. O que vimos aqui é apenas uma "palhinha" do que ela pode fazer, ela pode mais, muito mais (eu tenho medo do quadril dessa menina, não nego não!!). A dança foi perfeita, os detalhes explícitos aqui são apenas "detalhes" mesmo, porém em um concurso pode representar uma nota 9 que tira o título. 

Yayá, já te falei no Facebook. Leitura musical precisa, muita graça, delicadeza, excelente alongamento, só precisa melhorar um pouquinho a expressão, mas é um item que vai ser melhorado em breve. Pra mim seu nível é internacional, tem que encantar nos palcos de Dubai porque vc tá dançando muito. 

E vocês, o que acham?

Beijos a todas

22 setembro 2011

6

Superando o medo do palco - Farfesha.com

Mais um artigo interessante traduzido para vocês meninas!!!

Superando o medo do palco



By Michelle
Tradução e adaptação: Vera Moreira


Você é a próxima dançarina em um show - grande ou pequeno, não importa. As palmas das mãos começam a suar. Sua boca fica seca. Você sente dor de barriga. Sente seus  joelhos vacilarem. Você tem uma vontade súbita de ir ao banheiro (e talvez não venha nada para fora!). 


Medo do palco é uma “doença” comum para artistas novos e experientes. Mas isso não tem que prejudicar o seu desempenho ou arruinar a alegria que você sente ao dançar. Aqui estão algumas técnicas que aprendi ao longo dos anos para aliviar o medo do palco.


ESTEJA PREPARADA.  Se você está improvisando ou executando uma coreografia, se você está confiante naquilo que você está apresentando, você estará menos propensa a enfrentar aquele pânico pré palco. Isto significa conhecer a sua música detalhadamente, do começo ao fim. Uma boa maneira de treinar seu ouvido para reconhecer cada nuance da música é coloca-la para tocar em trechos absolutamente aleatórios e tentar decifrar qual é a parte da apresentação que deverá ser executada naquela sequência da música. Se você tiver a sua dança coreografada, isso também vai ajudá-la a aprender a combinar os seus movimentos com a música, em vez de lembrar a coreografia inteira como uma cadeia longa. Decida o que você quer que o público sinta ao assistir a sua dança e se concentrar nisso enquanto você está nos bastidores ao invés de pensar em sua professora sentada na primeira fila avaliando sua dança.



Cia. Lulu Sabongi - último ensaio do espetáculo Mosaico

PRATIQUE EM SUA ROUPA DE DANÇA:  Esta é uma das minhas ladainhas que não canso de repetir às minhas alunas, porque dançar com o figurino completo é completamente diferente do que dançar em leggings e camiseta! Você não precisa ter o stress de se preocupar se o seu traje vai ficar perfeito enquanto você está apenas ensaiado, porém é imprescindível saber quais são as “armadilhas” que ele lhe prepara durante a dança e estar prevenida contra essas armadilhas. O seu traje deve dar-lhe poder, não se tornar uma preocupação a mais no momento da apresentação.





SORRIA! Você sabia que alguns operadores de telemarketing são treinados para sorrir enquanto  falam  ao  telefone?         Isso porque se torna quase impossível projetar quaisquer sentimentos negativos quando você tem um sorriso genuíno em seu rosto! Comece sorrindo nos bastidores. A dança é diversão! 

Quanto mais você se lembrar de sorrir, mais feliz você vai se sentir, e quanto mais feliz você se sente, mais relaxado você vai estar. Mesmo se você não se convenceu nos bastidores de que você está tendo um grande momento e está completamente relaxada, o seu público jamais vai decifrar o que você está realmente sentindo se você está sorrindo de forma brilhante para eles.



DANCE EM PÚBLICO MUITAS VEZES E MAIS UM POUCO:  eu acho que este conselho é um pouco como "o pêlo do cão que lhe mordeu ..." É verdade que há alguns artistas profissionais (bailarinos, atores, cantores) que ainda “piram” antes de seus shows. No entanto, para a maioria das pessoas, a familiaridade com o nervoso dos bastidores seu “impacto” na apresentação. Uma vez que sua primeira apresentação já é uma etapa superada, inscreva-se a dançar de novo imediatamente! Aproveite todas as oportunidades para dançar, pergunte ao seu professor vocês na classe podem se apresentar umas para as outras. Para mim, o público mais intimidante é quando eu danço para os membros do meu grupo, que dançam em minha companhia.

Analise isto:  Se você ainda está nervosa, apesar de ser preparada, bem trajada,  sorrindo de forma brilhante, e está fazendo sua 100º. apresentação, é hora de analisar por que você ainda está sofrendo de medo do palco. A razão mais comum para as pessoas ficarem tão nervosas é o medo do fracasso, e a vergonha ocasionada por este eventual fracasso. Esta é uma preocupação válida.

Ninguém quer falhar na frente de um grupo de pessoas, sejam amigos ou estranhos. E certamente ninguém quer fazer papel de bobo, especialmente quando estão vestindo um traje brilhante que revela mais do que sua roupa “secular” normalmente mostra! Mas você tem que lembrar que só assumindo os riscos de qualquer situação na vida, seja ela dançar, ou começar um novo emprego, ou casar- só então você vai crescer!


ADRENALINA!!!! Então isso me leva ao melhor conselho que posso dar-lhe. Não há diferença fisiológica entre excitação e medo. A mesma adrenalina formigará em seu corpoas se você amar montanhas-russas ou se você odiá-las. Então, ao invés de ver as borboletas no estômago como o medo, diga a si mesmo: "Uau!Estou super animada para dançar! " Não vai demorar muito para você se convencer e então você vai perceber a adrenalina como uma prova de que você está pronta para entrar no palco e surpreender seu público.


Farfesha Belly Dance © 2004 
*********************************************************************************



Espero que gostem e comentem bastante!!!!!!!!  

Beijocasss!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...