01 outubro 2010

6

Preciso coreografar um grupo... E agora?


A vida da professora de primeira viagem é cheia de desafios. Lidar com diversos tipos de pessoas, saber (ou pelo menos tentar) conciliar o método de ensino e o que a aluna quer aprender e  desenvolve melhor, gerenciar conflitos - tudo isso faz parte do dia-a-dia da professora, tenha ela 1 ou 10 ou 100 anos de "janela". E outro desafio que vem com o tempo é compor uma coreografia para grupo.

Eu digo "desafio" porque desenvolver uma coreografia para grupo requer não só juntar passos. Se faz necessário avaliar, mesmo que superficialmente, o nível de desenvolvimento de cada uma de suas alunas,  relacionar os passos "possíveis" e os "desafios" - aqueles que você vai ensinar e limpar durante o ensino da coreografia e estudar o desenvolvimento cênico do grupo (poses, desenhos e afins). Isso tudo "além" de juntar os passos.

Tem gente que consegue em um minuto. E tem quem seja como eu, tem dificuldade pra caramba. Primeiro porque quando começo a querer coreografar uma música, a primeira coisa que me vêm à mente são os passos "da marmita": aqueles que dá uma vontade enorme de requentar. E, na mesma proporção, a autocensura: "Minha nossa Verinha, de novo isso. Pelo amor de Deus, quando é que você vai parar de emendar essa mesma sequência em todas as suas coreografias?"

Desde então, meu professor de "Coreografia em grupo", sem sombra de dúvida, tem sido o Arabesque Dance Company. 

O grupo ficou famoso aqui na terra Brasilis por conta do CD Oyoun, "Belly Best Seller" desde que a Lulu dançou a música titulo na festa de 20 anos da Khan el Khalili.
Ah, vc não viu? Que é isso menina, clica aqui:

Parte 1 - http://www.youtube.com/watch?v=GMYR2ZTSPps
Parte 2 - http://www.youtube.com/watch?v=TsuxHpPSqm0&feature=related

 O fato é que o CD é muito bom mesmo (eu adoro), mas não é só o que a Companhia tem a oferecer. Não mesmo!!!

Estudar o trabalho do Arabesque é muito interessante para quem deseja coreografar porque nos força ensina a utilizar movimentos mais simples, e caprichar mais nas evoluções de palco. Observando algumas apresentações de grupos grandes (um bom exemplo é o vídeo do grupo da Kahina, que venceu o Mercado Persa), eu noto que nossa tendência aqui na terra brasilis é utilizar o maior número de passos e variações possível, porém sem evoluções cênicas, somente todas executando os movimentos em seu lugar. É lindo e tem o seu valor, lógico, mas olha que linda essa apresentação de Laylat Hob:



Fora o figurino, toda uma coisa trabalhada no ATS linda de MELDEUS!!

Viu só? Em 1:06 vimos a execução de 7 passos (fora os giros), somente. Contei certo? O fato é que a cereja no bolo da coreografia foram as evoluções, a passagem de um grupo por dentro do outro, os deslocamentos...  Parece que menos é mais não só no mundo da moda, o conceito "Clean" em cima do palco também dá bem certo.



Adooooro "Alilos". Alguém já viu aquele clipe da Najwa Fouad dançando essa? Imperdível.

Aqui também, vemos poucos passos - embora a coreografia seja um pouquinho mais rápida, ainda não existe aquele entupir de passos.



"The Master Piece". Essa evolução com véu antes da frase cantada é lindíssima.

Pra você que, como eu, tem muita dificuldade em desenvolver a criatividade na criação coreográfica, estude Arabesque Dance Co. Você vai adorar com certeza!!!

Canal no youtube:

http://www.youtube.com/user/arabesquebellydance

Beijo!!!

6 comentários:

  1. Adorei as sugestões! Ainda não conhecia esse grupo.
    Não sei se você gosta da Jillina, mas gosto de ver os vídeos antigos das superstars e de um grupo que ela tinha - ou tem - porque adoro as evoluções em grupo que elas fazem... Números solos delas eu não gosto tanto, mas quando dançam todas juntas, as coreografias elaboradas pela Jillina, fico fascinada pelos desenhos que elas fazem no palco, algumas soluções criativas, coisas inesperadas, às vezes um grupo faz uma coisa e outro faz outra... Acho lindo e babo pela criatividade dela!

    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Esse post é de ultra utilidade para as pessoas que trabalham com a montagem de coreografias, amei!

    ResponderExcluir
  3. Oi Laurinha!!

    Mulher, assiste TO-DOS os vídeos do Arabesque mulher. É ouro!!!!
    Eu também acho a Jillina super talentosa como coreógrafa, o show do Bellydance Evolution tem várias soluções legais em desenhos cênicos, mas eu acho que o Arabesque me aproveita mais porque as combinações de passos são mais simples.

    Ju

    Adorei o texto sobre o Ateliê Sandra Xavier, daqui a pouco comento lá.
    Que bom que vc gostou do post.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Acho as coreografias muito importantes, principalmente em apresentações sérias e em palco, quando reúne um público considerável.

    Mas, como eu ODEIO coreografia! rs... Até certo ponto consigo levar, depois se torna muito chato. Não gosto de repetições em dança. Passar muito tempo, meses na mesma coisa, para mim é um saco. É um dos motivos que evito apresentações. Que lástima!

    Claro, quem é profissional deve, sim, saber coreografar e muito bem, seja para ensinar as alunas, seja para próprias apresentações. Aliás, a coreografia ensina muito e ajuda a desenvolver várias habilidades, sendo a memória uma delas. Por isso é muito bom aprender (mas no meu caso, só de vez em quando! rsrs).

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Nossa que dica bacana!
    Adorei...


    pati
    [http://meudiariodedanca.blogspot.com]

    ResponderExcluir
  6. Esse é o melhor grupo de dança do ventre de que tenho conhecimento.
    Imbatíveis!

    ResponderExcluir

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...