16 agosto 2010

7

Amando as bailarinas antigas


Olá meninas!

Eu não sei se essa é a sensação de todas as meninas que estudam e praticam dança do ventre, mas a impressão que tenho desde os primórdios é que as nossas colegas de profissão só passam a nos levar a sério quando dissertamos horrores sobre as bailarinas antigas.

Sohair Zaki, Fifi Abdo, Taheya Karioka, Azza Sharif, Najwa Fouad, Naima Akef, Samia Gamal, Lucy, Nadia Gamal, Nelly... Se você não apregoar aos quatro cantos que as AMA LOUCAMENTE, você pode estar fora do contexto, e, principalmente, fora da rodinha.

Daí você pode pensar: Ih... danou-se, não consigo ver graça na dança das antigas e não vejo nada que me aproveite naqueles vídeos preto e branco. Não se sinta diferente: você não é a única! Eu, também como você, já achei tudo uma grande chatice, sem nada que se aproveitasse. Mas se Deus mora no simples e o diabo mora nos detalhes, talvez não seja de todo mal sentar na frente da TV ou do computador e perder (ou ganhar, e muito!) alguns minutinhos com essas bailarinas antigas.

Hoje eu amo as antigas, sou fanzoca mesmo e quando eu crescer eu quero ser a Fifi Abdo. Mas a mudança de opinião foi um processo lento e gradual. Vou dividir com vocês aqui minhas anotações e minhas impressões do que estudar em cada uma dessas bailarinas.


Sohair Zaki - a unanimidade.



Eu sempre achei a Sohair Zaki muito monotemática com aquele shimmie que leva seu nome. Ela fazia dois ou três movimentos diferentes e depois voltava para o tal do shimmie Sohair, era até meio que um ciclo vicioso. Falando em expressão, a impressão nítida que eu tenho é que Sohair dançava em outro plano, mas isso não era uma boa coisa não, pelo contrário. Não gosto de bailarinas que dançam para o universo ao invés de dançar para o público que as assiste.

 Vale a pena estudar a Sohair Zaki pela sua calma e leveza, sutileza nas trocas e leitura musical impecável. Ela nos ensina que a dança executada de forma lenta e introspectiva também pode ser muito bonita. Sohair vai lhe ensinar a usar os redondos de diversos tamanhos como instrumento de leitura musical, quase como se fossem acentos.

Naima Akef - a clássica (e minha favorita)



Você acha que só a Saida é quem dá chutes altos "oriundos" do ballet clássico? Nada disso meu bem! Naima Akef já fazia isso a 50 anos atrás! Arabesques e chutes altos eram a assinatura dela - o ballet clássico exercia uma forte influência sobre sua dança. Se a Azza Sharif é a rainha do twist, a Naima Akef é a rainha do oito para trás - ela nos ensina soluções belíssimas com esse movimento. O grande legado da Naima Akef para nós é a elegância nos deslocamentos.

Aliás, se eu tenho um protesto a fazer é esse: no vídeo da Lulu "Dominando as clássicas", ela praticamente IGNOROU  a Naima Akef, o que, para mim, tiete, é imperdoável!!!

Samia Gamal - a feminina


Essa foto não tem todo um glamour Marilin Monroe feelings?


Ah, essa daqui todo mundo é craque, já foi tema do Mercado Persa e tudo! Pra falar a verdade, a Samia Gamal foi a mais difícil para me acostumar - no começo eu não conseguia achar NADA bom. Mas se os braços são a moldura da dança, Samia Gamal tem MUITO a nos ensinar. Observe-a dançando: na maioria das vezes executando oito pra cima e movimentando os braços - mãos e pulsos EXATAMENTE no compasso da música. Essa é sua impressão digital na dança: movimentos muito pequenos contrastando com braços executando movimentos grandes. E que sensualidade, Jesus! Quem persegue a exata mistura de graça e sensualidade, tem muito a aprender com Samia Gamal.

Semana que vem tem mais: Azza Sharif, Nadia Gamal e Lucy - porque uma pitadinha de pimenta não faz mal a ninguém!!!

Beijos a todas

7 comentários:

  1. Meninaaaaaaaaaaaaaa seu blog tá lindooooooooooooo flor, adorei, rsrs !
    Nossa, acho q vou seguir seus conselhos e passar a estudar mais as bailarinas antigas, pq confesso q acho meio chatinho, rsrs !
    Beijocas !

    ResponderExcluir
  2. Sou suspeita pra falar pq adoro as antigas. Mas acho que a Suher tem muito mais pra dar, do que apenas leveza. É a entrega à música, a forma como se torna uma parte da orquestra quando dança. Perfeita.

    ResponderExcluir
  3. Ai, que delícia de post!!!
    Aguardando ansiosamente os próximos...
    Beijos, linda!
    Lucy

    ResponderExcluir
  4. Amei,estou iniciando na dança ,tenho sede de tudo,sou desesperada,e adoro fotos preto e branco,e adorei as bailarinas antigas,por que a gente se espelha nos corpinhas na de hoje,e as antigas,achei lindas,natural,sem silicone(NADA CONTRA).beijos

    ResponderExcluir
  5. Ai eu ainda não li O Post todo pq eu salvei um monte de posts seus pra ler e estudar rs mas eu li um pouquinho para ter noção do q se trata e dps salvar né..

    Então sobre a Souheir Zaki...eu não sei que shimie é esse!!! Minha professora ensinou um..q ela tbm chama de shimie em L, ai eu procurei isso..e chamaram de outra coisa..nesse mesmo site o shimie souheir parece aquele passinho de hagala (só que não é o hagala) em um site alemão achei o passo da souheir como um passo q eu nem sei o nome mas q é vc ficar na meia ponta e puxar o quadril pro seu centro..tipo baixar um e levatar o outro..
    É possível alguém me explicar o q é? Vídeos por favor rsrs...Ver podia fazer um post sobre essas nomenclaturas loucas! E se desse uns videozinhos...rs Absss

    ResponderExcluir
  6. Muito bom!!! É sempre uma delícia ver e ler a respeito das divas inspiradoras ;)

    Adorei a primeira foto. Vou pegar emprestada ok?

    beijos

    ResponderExcluir

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...