17 maio 2009

9

Mas por que ser avaliada?


Olá meninas...

Bom, não sei se vcs sabem, mas trabalho no mercado financeiro. E sem modéstia nenhuma sou fera no que faço. De verdade, afinal, minha atividade secular é quem paga a fatura do cartão de cartão de crédito, então... Enfim.

Mas se, em algum dia, alguém me disser "Fia, faz o seguinte, pega uma folha, escreve tudo o que sabe, põe seu nome em cima e entrega que vai valer nota". Viiiiiiiiiixeeeeeeeeeeee... acabou, não sei mais nada, começo a tremer, não me vem um puto de um investimento ou garantia na cabeça. Morri. Devo ter alguma "síndrome do pânico"  com provas. 

Desde sempre somos condicionadas a acreditar no processo avaliativo como algo ruim. Se o professor quer dominar a classe diz: "Silêncio que vai cair na prova". Se a mãe quer algo do filho promete "Se vc for bem na prova te dou uma bicicleta"... E assim sempre. Na vida adulta, ficamos apreensivos com o vestibular, que toma praticamente um ano da nossa vida, e quando chega o dia é um trelelê. Putz, ainda não me recuperei de, há 10 anos atrás, entregar a segunda fase da FUVEST em branco, e quando cheguei em casa, li de novo e sabia tudo. Isso foi um trauma. 

Na vida de bailarina acontece algo bem mais estranho: por mais avessa que sejamos às avaliações, as buscamos constantemente. É concurso do Mercado Persa, é Pré Seleção, Omar Naboulsi, concursos mil... Tudo isso levantando a bandeira do "quero uma avaliação séria da minha dança".  

Li na comunidade "Fanáticas por Dança do Ventre" um texto da Janaína dizendo que era do Rio e que lá a Pré Seleção é super respeitada e que pra entrar no mercado como bailarina e professora era um ítem "de se considerar". Daí começou uma briga e o tópico foi apagado. Mas comecei a pensar nisso. 

Bem, em primeiro lugar, qualquer lugar que exija um "diploma" de dança, um selo, ou qualquer coisa que o valha, para valorizar uma bailarina deve ser questionado. Tem muuuuuita bailarina que não possui selo e dança muito bem, tá fazendo sua carreira lecionando e dançando e obtendo respeito do público. Acho que a expressão máxima dessa geração é a Mahaila el Helwa. Embora tenha tentado o Mercado Persa em 2004, ficou em segundo lugar, não tem o selo da KK mas é maravilhosa, dançou no Egito, faturou o Ahlan wa Salan e é uma bailarina que todo mundo ama. Você, dono de um estabelecimento que quer apresentar dança árabe, dispensaria a Mahaila só porque ela não tem o tal selo? Táaaaa bom! Então, minha opinião sobre esse tipo de lugar é: continue estudando e procure um lugar que valorize você e sua dança e não o selo. 

Outro ponto que quero apontar aqui é: pense bem no processo avaliativo. Durante anos e anos jogamos pedras na seleção da KK (eu bem ferrenhamente), mas a realidade é que eles não colocam armas na cabeça de ninguém pra prestar a seleção lá. As bailarinas é que chovem por lá. E quando não aprovadas apontam aos quatro ventos que os critérios de avaliação são questionáveis. 
Nossa postura quanto a isso deve ser: eu quero ser avaliada por quem me interessa! Quer ser avaliada por Jorge e Lulu? Pegue todo o dinheiro que vc teve que gastar com a pré seleção (roupas, filmagem, fotos profissionais e inscrição), e invista numa aula particular, numa avaliação coreográfica. É claro que eles não vão te dar aquela planilha enorme cheia de notinhas, mas com certeza, o que eles te disserem em loco você vai respeitar e vai guardar pra vida inteira. 

Mas se vc quer prestar a pré, tudo bem. Então não reclame que bailarinas que tem menos tempo de dança que você e que dançam lá desceram a ladeira na avaliação. Elas estão lá pra "isso mesmo". A banca está muuuuito inchada. Eu, por mim, se fosse prestar esse tipo de coisa, acreditaria numa banca composta somente de Lulu, Jorge, Jade, Aysha, Tahya, Munira, Shams, Kahina, Nur, Juli, Mayara, Elis, Aziza e Danny Negri. Pense bem, porque você quer ser avalliada por estas pessoas, mas os outros 10 quilos de bailarinas que estão lá também formam a composição da nota. 

A "grande sacada" disso tudo a Luanna Mello já falou: mais vale a viagem do que o destino. Quando você se submete a um processo desses estuda como deveria fazer em toda sua vida de bailarina; várias horas por dia, se questionando, se corrigindo... Pouco importa se vc vai ser aprovada ou não. O processo já te garantiu um resultado a ser aproveitado!

O que podemos tirar de conclusão disso tudo? É que não basta querer ser avaliada, não basta estudar e tirar fotos profissionais, e também não basta a roupa nova. Basta você escolher de receber as críticas de quem interessa. E se não dá pra ser na pré seleção, no Mercado Persa, ou em qualquer outro lugar, procure o profissional que interessa que seja o teu avaliador e faça uma aula particular com ele. Tenho certeza de que vc não vai se arrepender.

Um beijo.

9 comentários:

  1. Adorei o texto e o blog. Vou te linkar., viu? Eu, particularmente, já fui avaliada pela minha professora e isso foi muito rico. Mas não tenho desejo de ser avaliada por gente que mal conheço. Recentemente vi um pepino bem grande com relação a esse assunto por causa de um comentário infeliz de uma "profissional" séria numa ficha de avaliação. Disse que a menina tinha pouco busto e que, na falta deles, deveria comprá-los. Guentou?

    ResponderExcluir
  2. oi gracinha, tô aqui pitacando de novo...
    nunca participei de concurso, não acredito neles!
    a única avaliação que fiz parte foi a pré e não passei na 2ª etapa, foi uma experiência fantástica, maluca e maravilhosa, tudo ao mesmo tempo, mas eu tava exatamente no que a Lu costuma dizer sobre a viagem e o destinho, meu objetivo era viver tudo aquilo e foi super bacana.
    agora, não criticar e elogiar algumas coisas para mim seria o mesmo que não ter vivido aquilo, pq nos blogs, principalmente, a gente quer fazer exatamente isso, falar, falar e falar, então nem rolava não contar nada sobre alguns comentários idiotas (como esse dos peitos que a Lory citou) que você é obrigada a ler em sua avaliação, é algo surreal, que mostra a futilidade de algumas pessoas, o que não desmerece o processo todo quando são exceções.
    mas falar sobre Khan é foda pq, se vc passou e fala bem é puxa-saco, se não passou e critica é frustrada.
    Bom, no meu blog tem "o antes" e "o depois" das etapas, minha opiniao pura e simples, mas se tiver afim lê por lá.
    Aproveito e convido para a comunidade "Raqsa em pauta" (http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=88050209), uma tentativa de algo bacana...
    bjocas

    ResponderExcluir
  3. Vejo td isso como uma empresa.. preencheu os requisitos, entra, nao preencheu, tenta novamente... é o negocio dele - é o nome da empresa dele! Se tá certo ou não... hummm qtas vezes nao fomos dispensado de uma entrevista sem saber pq? Quem quer tem que se submeter!!

    Mas como to quase vovó para isso , fico no MP pq é 50% sorte 50% talento!!! bjs pq vc vai no eventre?

    ResponderExcluir
  4. Oieeeeee
    Tomei a liberdade de deixar um recadinho, pois to vendendo uma roupa de dança do ventre linda (importada). da Uma espiadinha no meu blog e qualquer coisa tenho como mandar foto por e-mail.

    ResponderExcluir
  5. Oii! Tudo bem?
    Bom, duas coisas. A primeira: eu não condeno quem participa das avaliações, até por que, eu estou nesse grupinho. Comentei no meu blog sobre opiniões, e dependendo da procedência, elas são muito valiosas!
    Segunda coisa: gostei muito, mas muito, você ter citado a parte do "enquanto" nos preparamos para o concurso, e concordo em gênero, número e grau que isso é o maior e melhor aprendizado.
    Digo isso pois tem um monte de gente aí falando que avaliações não estão com nada, que concursos são desnecessários, mas se esquecem que na "preparação" vai muito estudo, dedicação, disciplina e determinação. Isso vale mais do que uma vez um comentário que peguei, escrito : "gostei da entrada". Puxa, era tudo o que ele tinha pra falar da minha dança.. rs.

    Beijocas ♥

    ResponderExcluir
  6. Acho um saco essa onda de apagar tópicos de comunidade. Queria ter visto, uai. As pessoas têm que bancar o que falam.
    Sobre a seleção, bom... preguiça.

    ResponderExcluir
  7. ah, falta mesmo é o bom e velho 'desconfiômetro'. algumas pessoas não querem ser avaliadas,querem é passar. e quando isso não ocorre, cadê maturidade para lidar? concordo coma amiga do Eventre: é como uma empresa. preencheu requisitos- que eles definem- bem, senão, out. e bora prafrente, que em algum lugar seu perfil será aceito. mas olha: e para que essa necessidade de afirmação,de ter selo ou reconhecimento? para pensar,né...

    ResponderExcluir
  8. Oie! Então, eu só vou fazer um adendo aqui, que a colega E-ventre, se refere, neste momento, à minha sócia Déborah Macedo. Eu, Rhazi Manat, participei da pré pq queria muito a avaliação de minha dança, e claro, não serei hipócrita, o selo sim, pois, digam o que for, fora de SP, ele dá um "UP" na carreira, foi quando comecei a ir para fora de SP para works e shows. Infelizmente é isso, eu era a mesma bailarina antes do selo e depois do selo, mas, na época (2006) era assim. Hoje, isso melhorou muito, que bom, pois dá espaço pra todo mundo, independente do selo ou não, pois eu concordo que há profissionais fantásticas que não tem padrão KK. Como eu não fiz carreira na Casa (nem tentei) segui minha vidinha, meu caminho, meu destino. Foi ótimo ter prestado, indico pra todo mundo, como forma de "te forçar" a estudar mesmo, como forma de auto-avaliação e de, por que não, um reconhecimento profissional (desde que vc respeite os profissionais avaliadores, que a opinião deles faça diferença pra vc). Mas a pré também é um momento. Naquele dia, naquela hora, vc estava (ou não) no seu melhor momento, deu tudo certo, e vc passou. É quase um concurso, só que não é comparativo.
    Bem, é isso que eu acho. Beeeeijo

    ResponderExcluir
  9. Oi, é minha primeira vez por aqui e já vou meter um pitaco. Ser avaliada nunca é fácil mesmo. Mexe com nosso ego, com a auto-estima, e é complicado ser avaliada por quem não conhece nosso percurso e não sabe sobre nossa evolução. Mas avaliar também não é fácil, você tem que ter muito claro quais os critérios e na arte eles são sempre um pouco (ou muito) subjetivos. Em outras áreas isso também ocorre, mas na arte a subjetividade ganha destaque. A avaliação depende muito de pontos de vista, de opinião e de crenças do avaliador. Então antes de se submeter, veja a opinião de quem você quer ouvir e deixe os milindres de lado. Encarre as críticas e aproveite para evoluir.

    ResponderExcluir

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...