07 fevereiro 2009

8

É preciso ser rica para praticar dança do ventre?

Olá habibas...

Essa é uma pergunta que sempre me faço quando vejo o perfil de bailarinas que despontam ao estrelato em São Paulo. Tenho o grave defeito de observar TUDO, isso é bom em certas coisas, mas te faz enxergar coisas que às vezes não precisa. É o meu caso. E sempre observo o perfil das new bellydance superstars de Sampa.

Bom, o fato é: para estudar dança do ventre DE QUALIDADE em São Paulo, é preciso desembolsar um bom dinheiro em mensalidades. Não considero caro, porque eu quero muito que as profissionais vão pro Egito mesmo, aprender bastante pra me ensinar, quero que elas façam todos os workshops que aparecerem, porque sei que aquilo vai refletir diretamente na aula em que a professora vai me dar. Mas, de repente, pra maioria das pessoas é caro. Estamos falando aqui de R$ 100 a R$ 200 de mensalidades. Se for profissionalizante (a maioria dos cursos que procuro), pode colocar aí de R$ 150 pra cima.

Bom, quando a aula vai progredindo, vc vai precisar de um véu. Véu de voal e organza são bons, mas eu gosto mesmo é dos de seda (é, espírito de rico em orçamento de pobre = muuuuuitos reais no cartão de crédito parcelados em 54598523652 vezes). Oriento sempre minhas habibas falando do mais barato e funcional, e do que eu gosto e que é bom. Um véu de seda de uma metragem média (1,40 x 2,20), vc vai gastar uns R$ 100.

Vem chegando a hora da apresentação... e do gasto com o figurino. Nas primeiras apresentações vc até se vira com as roupas da 25 de março, mas para participar de um festival mais tchans (leia-se Mercado Persa, Mostra Cultural e afins), é mister fazer um figurino específico para o grupo. Custa caro. Uma roupinha siiiiiimplezinha, no mínimo, duzentão. Quer um pouquinho mais de franja? Trezentão. Quer strass? R$ 400. E por aí vai.

Quando a gente começa a se profissionalizar, dançar cobrando cachê, não dá pra ter só uma roupinha. O contratante repara. E as bailarinas de Sampa adoooooraaaaammm uma roupinha egípcia. Pronto, já elevamos o orçamento para uns R$ 500,00 (pra aquelas roupinhas mais do fim da feira do Egito né...).

Toda bailarina TEM QUE ESTAR BEM MAQUIADA! Isso, me desculpem as que acham que não, mas eu EXIJO uma maquiagem bem feita. E como a make vai estar de contato direto com o seu olho, vc vai comprar porcaria? Pelamor né!!!! Não precisa ser igual eu, que não posso ver um stand de make em lugar nenhum, mas pelo menos se vai gastar compra o bom!!!

Tudo isso custa dinheiro. Isso sem falar em CDs, DVDs, acessórios (eu deveria ter falado do gasto com snujs lá em cima, porque pra mim o aprendizado de snujs deve coincidir com o início de tudo, porque faz parte do estudo de música árabe. Já coloca uns R$ 40 de um snuj egípcio de boa qualidade também), bijuterias, festivais, workshops e o baralho a quatro.

Bom, começamos falando das bailarinas que estão despontando: já repararam que elas já NA ESCOLA DE DANÇA tem tudo isso sem ter ganho R$ 1,00 de cachê pra nada? E que, muitas das vezes, nem precisam trabalhar e têm a oportunidade de ficar hoooooras na escola ensaiando e aprendendo.

Em suma: será que os pobres mortais que trabalham, estudam, e contam as moedinhas pra ter acesso a esse prazer da dança do ventre, ainda podem se profissionalizar?

Ou só quem tem grana pode praticar dança do ventre?

Beijo.

8 comentários:

  1. Olá!

    Quero convidar você para acessar, ler e ser uma amiga e seguidora do blog HTTP://inspiracoesmatinais.blogspot.com . Tudo que está lá é para você. Sinta-se em sua casa. Navegue pelos posts e depois deixe uma mensagem, um comentário...

    Um grande abraço e te espero por lá...

    HTTP://inspiracoesmatinais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá! Adorei o artigo, e realmente acho que tem muitas "riquinhas" nas aulas de dança, mas eu conheço gente que rala pra caramba em um emprego não muito legal pra poder ter dindin e comprar os instrumentos, roupas e acessórios fora aulas. Eu mesma sou uma....e olha, devo dizer que não é fácil...
    É como o ditado, sobra mês no final do dinheiro.....

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Bom, eu gasto estando no grupo dos festiva, mas não chega nem perto de tudo isso. Por essas bandas, dançar ainda é acessivel- pero no mucho.
    Vez ou outra sim, a coisa fica muuuito fora do bolso e negociamos, pechinchamos, cortamos gastos e os figurinos saem pra todas e muito bem feitos.[qualidade acima de tudo. dança linda de figurino xoxo não leva premio!]


    * ahhh, tua tatoo ficou linda *-* muito fofa *

    bjoo

    ResponderExcluir
  4. Gaaata,
    Achei sua visão nesse texto muito elitista! Sério...

    Olha eu ralei o coco pra ser bailarina, num foi fácil não. Sempre tem aquelas meninas que conseguem tudo mais fácil, mas dinheiro nada tem a ver se o que vc quer é mesmo dançar.

    Eu nunca tive grana, nem papai pra ajudar, foi tudo conquistado com muuuuito suor e muitos porquinhos de moedinhas. E conheço mó galera que teve a mesma vida que eu!

    A maquiagem nem sempre é da mais cara e a roupa nem sempre é egípcia. O negócio é ir se virando e de vez em quando comprando uma roupinha mais cara ou uma make melhor...

    Sério, dança não tem a ver com dinheiro, tem a ver com persistência, determinação e garra!

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Não, não é preciso ser rica, mas é preciso ter consciência das responsabilidades/ gastos e estar preparada para abrir mão de baladas, por exemplo, para economizar pra um workshop extra...pra mim, ao menos, funciona assim... o mesmo com ballet- sapatilhas são caríssimas, o flamenco- mantilhas, castanholas e os sapatos...enfim, tudo tem seu custo benefício, é só por na balança...

    ResponderExcluir
  6. Oi meninas!!

    Lu, não considero um post elitista não, flô! A realidade tá bem próxima disso. Eu mesma, para praticar dança do ventre sou igualzinha a maioria da população: pra comprar uma roupa divido em 1000000 vezes, vivo contando as moedinhas, e tenho que pensar 100 vezes antes de me jogar no primeiro workshop. É o que a Lú disse mesmo, abrir mão de um monte de coisa... O que eu quis dizer no post é que uma boa parte das novas profissionais de dança que estão no auge em Sampa nunca tiveram que ganhar 1 pila em cachê e ficam o dia todo na escola ensaiando, papai compra a roupitcha da moda do Egito, vão pro Egito pro Ahlan wa Sahla e pro Aida Nour ter aulas... E aí? E aquela menina que rala paca, paga sua roupinha pra Simone Galassi em 6 vezes, pega trem-ônibus-trem-metrô pra ir pra uma escola renomada ter aulas, conta moedinhas pra ir nos workshops da vida, nunca vai poder se profissionalizar porque tem que trabalhar ao invés de viajar pra 1000 lugares pra ter aula? É essa a minha pergunta.
    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  7. Precisar não precisa. Mas se for, ajuda!!

    É complicadíssimo "contar as moedinhas" pra poder comprar as coisas que 'precisamos' -porque as que 'queremos' nem sempre cabem na nossa realidade-, é complicado ver todas as suas amigas ralando e no fim do mês indo no shopping gastar com roupa de marca, maquiagem boa e você pagando prestação de véu. E é complicado ser a única que não vai na balada porque esse mês tem inscrição de festival X.

    Tem que amar muito. Não precisa ser rica, e sim, determinada.

    ResponderExcluir
  8. Pois é, as vezes me pergunto isso também Flor... Quantas destas que chegaram no topo recentemente o fizeram contando as moedinhas... por mérito exclusivamente próprio, com pouco dinheiro no bolso. Na minha sala a grande maioria são novinhas (estudantes), não pagam nem as próprias aulas, sou praticamente uma das únicas tias da sala. kkkk

    ResponderExcluir

Mentes que pensam e fazem os outros pensar!!! Muito obrigada pelos seus comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...