30 dezembro 2009

0

Feliz 2010!!



"Que sua vida, amigo, seja sempre para o melhor.
Que o sol aqueça o teu viver,
Que a chuva caia suave no seu lar,
E até nos encontrarmos outra vez
Que Deus,
Que Deus te segure em Suas mãos
Que o Senhor te abençoe e guarde.
Que o Senhor sobre ti levante o rosto
E te dê paz!"
(Bênção antiga)

Para todas as habibas que visitam o Amar el Binnaz um ano ILUMINADO!
Muita paz, muita luz, muita saúde e muito sucesso a todas.

Feliz 2010.

Amar el Binnaz

27 dezembro 2009

4

Votação para Suheil - Bellydance Evolution


Olá meninas!!!

Espero que todas tenham tido um Natal cheio de paz, confraternização e muitos presentes!

A Suheil, linda, maravilhosa e vitaminada está em NY (inveeeeeeeeeeeeejaaaaaaaaaaaaa!!!!) para participar da seleção do Bellydance Evolution, mais uma Cia. de Dança idealizada pela Jillina - êta mulher obcecada por dança do ventre "show" - que, com certeza, fará muito sucesso e, claro, tendo um nome "brasilerim" junto das bailarinas é melhor ainda né?

POR ISSO, ELA PRECISA DO SEU VOTO!!!

Leia a mensagem:

Oi amigos, 

estou pedindo um favor especial a todos. Estou participando de uma competição de dança do ventre em Nova York em Janeiro de 2010. Uma parte importante da competição é a votação no vídeo das concorrentes. Para isso é necessário que se vote pela Internet. Essa votação tem um peso muito importante na decisão final, e é claro, da capacidade técnica de cada competidora.


Gostaria de pedir que vocês votassem. Se eu conseguir, tenho a chance de ser a representante desta Companhia de Dança para a América do Sul. Tem uma argentina (Angeles) que está competindo e que está conseguindo “um monte” de votos. Por favor, repassem aos seus amigos e peça que votem. Não leva nem um minuto!! E quem quiser também pode deixar um comentário (opcional). É um grande favor que vocês me fazem e eu, claro, agradeço. A seguir, dou o link para votação:

http://www.bellydanceevolution.com/cblog/index.php?/archives/9-Voting-Page.html#extended



Olha gente, eu adoooooro a Angeles, mas vamos ajudar a Suheil nessa!!! Conto com vocês, leitoras e amigas do Amar el Binnaz.


beijim!

21 dezembro 2009

3

Do que eu desejo pra você no Natal...





Habibas do mio cuore...

Quero desejar a todas um Feliz Natal, que seja uma festa cheia de amor VERDADEIRO e genuíno!!!

Agradeço a vocês por me permitir fazer parte de um pouquinho de seu dia, quando vocês vêm aqui ler minhas maluquices!!! Ahhaha..

Meu presente para Papai Noel já pedi: uma nova ATITUDE em Dança do Ventre, em prol de um futuro próspero e sem lantejoulites!

Um ótimo Natal a todas!

Verinha

19 dezembro 2009

1

Novas Experiências... Amigo Secreto Amar el Binnaz 2009



Olá habibas!

Uma das coisas mais legais desse final de ano foi o Amigo Secreto do Amar el Binnaz, que aconteceu ontem 18/12/2009. Neste final de ano, devido ao meu ritmo mais que frenético de trabalho, não pude organizar um evento de final de ano. Daí que na aula passada resolvemos fazer um amigo secreto de última hora. E a Babi, aluna nova, mas que a amamos como se já estivesse lá há mil anos deu a idéia: VAMOS FAZER UM AMIGO SEX SHOP!

Foi um frisson por dois motivos:
1. As que frequentam sex shop ficaram animadíssimas (sou uma rata de sex shop, adooooouro);
2. As que nunca foram em sex shop ficaram envergonhadíssimas...

Eu pessoalmente pensei que quem não curte Sex Shop, ou não gosta, iria no máximo na loja de lingerie tentar comprar alguma coisa "parecida" com isso.

Preparei os kits para sorteio para as meninas, todos com um "brinde sexy" - uma calcinha-inha-inha para entrar no clima também.

Ontem, ao chegar na academia, as meninas já começaram contando as experiências, de "minha primeira vez num sex shop". O mais legal é ouvir das casadas há anoooooossss que os maridos já estão empolgadíssimos com essa aula de dança do ventre que está fazendo até a mulherada frequentar o Sex Shop, ehehe... TODAS compraram seus presentes no Sex Shop, 100% de adesão!

Após o sorteio, que já foi muito legal, com Alê fazendo as performances Sexys a cada entrega - minha máquina fotográfica MORREU, sorry, não tenho fotos - começamos a entrega do amigo secreto. Gente, apareceu cada coisa!!! No final, achei que as tanguinhas que eu escolhi para minha amiga secreta servem para ir na igreja. As meninas que nunca foram no Sex Shop compraram as coisas mais ousadas, acho que tô ficando careta.

Ganhei um kit de gelzinhos  - O André adorou! E ganhei a satisfação de ver minhas habibas todas unidas, confraternizando, num clima maravilhoso de amizade e companheirismo. Não poderia haver presente de aniversário adiantado melhor que esse - 2009 valeu a pena. De verdade.

E fica a dica para as profes que ainda não fizeram o amigo secreto entre as alunas - acreditem, vcs vão AMAR.

Um beijo

15 dezembro 2009

2

Bellydance New Divas: Suellem Morimoto

Olá habibas...

Em alguns momentos me sinto uma TIAZONA dançando. Isto porque a maioria das bailarinas que admiro tem menos idade (3.0 - motor com muita potência) do que eu: Luana Mello, Ana Claudia Borges, Kahina, Nur, e agora essa bailarina: Suellem.

Minha história com a dança da Suellem vem do primeiro evento de dança que pude participar, organizado pela Aninha, e me lembro de ela ter dançado uma coreografia em dupla e eu babaaaaando e me perguntando: será que um dia chego lá? Mal sabia eu que era SÓ o começo de uma carreira que promete.

Suellem tem em seu DNA de dança o estilo "Khan el Khalili" - razão pela qual do seu ingresso na Casa de Chá à sua inclusão nas Noites do Harém se passaram apenas poucos meses. Mas ela não é simplesmente uma cópia das demais bailarinas que dançam lá. Sua dança é diferenciada pelos movimentos que conseguem ser uma mistura do "extra-delicado" com o "muito forte". Braços sempre muito harmoniosos e belos, giros e arabesques perfeitos e uma leitura musical IM-PE-CÁ-VEL.

Fora o fato que ela é linda de viver... e pelo que sempre observo é uma pessoa muito gente boa. E na minha opinião isso conta. Muito.

Com vocês: Suellem







E sua linda coreografia japonesa de título "Memórias de uma Gueixa" apresentada nas Super Noites do Harém:

12 dezembro 2009

3

Meus blogs de maquiagem preferidos


Olá habibas...

No último ano acompanho de perto vários blogs de beleza e de maquiagem, nacionais e internacionais. E os blogs de beleza brasileiros têm crescido de forma assustadora. É claro que, como em qualquer tipo de desenvolvimento, existe uma tendência para o mais comercial, e muitos blogs se tornaram não mais do que propaganda de algo "incrível", "maravilhoso" e "imperdível".

O que eu mais gosto em um blog de beleza? Sem dúvida, dos tutoriais de maquiagem.

E em relação aos tutoriais de maquiagem, as gurias estão se esmerando cada vez mais. Tem muito a se aprender na rede, é por isso que vou indicar três blogs imperdíveis para quem quer fazer maquiagens legais. Meu critério de escolha baseia-se em: utilização de produtos nacionais, técnica e utilização das cores. E as minhas gurus brasileiras preferidas são:


Francielli Coppo - http://makeupbyfran.blogspot.com/



Fran é uma menina linda e EXTREMAMENTE talentosa. Em seus vídeos tem várias maquiagens bonitas com P&W, Ruby Rose, Luisance, Marcelo Beauty, Pierre Pardon... ou seja, maquiagens a preços acessíveis a todos. Ela tem pálpebras bem "esticadas" e bastante "espaço" para trabalhar no olho, e desenvolveu uma técnica pessoal muito interessante, pois suas maquiagens são bem dramáticas, mas possuem um acabamento nota 10!

******************

Janaína - http://rosachicletemakeup.blogspot.com/



É engraçado, eu olho para a Janaína e só consigo lembrar de Pin-up. Ela é também uma menina linda, e de um talento incrível. Alguns de seus vídeos têm produtos nacionais e fáceis de encontrar. Atualmente ela está sendo "patrocinada" por um site que vende maquiagens importadas, e tem utilizado mais makes importadas (porém acessíveis como LA Colors, LA Girl, Eyeko...), mas se vocês pesquisarem nos primeiros vídeos tem muito Avon, Catharine Hill, Luisance, entre outras. Outra coisa bacana dos vídeos da Jana, é que ela gosta de utilizar esponjinhas para fazer as makes, então, quem não tem acesso a pincéis, ou não gosta de pincéis, pode obter dicas muito legais de como trabalhar com a esponjinha. Suas makes são dramáticas, porém o acabamento é impecável.

********************
Vivian - http://www.fabulousbyvivian.com/



Vivian mora no exterior, então suas makes são 100% importadas. Mas vamos "abstrair" os produtos e prestar atenção na técnica. Eu não consigo resistir ao esfumado dessa moça!! É impecável, e todas as suas makes a fazem ficar com cara de "RYCA". Perfeito.

***********************
Assistam e aproveitem!

Beijins

08 dezembro 2009

2

Marketing X Mercado de Dança do Ventre


Eu sempre ODIEI loucamente a aula de marketing na faculdade (é gurias, meu lance é MATEMÁTICA FINANCEIRA, HP, ECONOMIA e estudo de casos das estrelas da bolsa de valores, adouro!),  principalmente porque na faculdade de Administração, a aula de marketing só fala de “auto-ajuda empresarial” e eu não gosto de auto-ajuda of any kind.  Mas uma ou outra aulinha eu guardei na memória. E vim falar hoje do marketing (ou a falta de) aplicado à dança do ventre.


A grosso modo, o marketing mais bem sucedido dentro do “meio” de dança do ventre é o da Casa de Chá. Todo mundo quer dançar lá, todo mundo quer tomar o chá de lá e ver as gurias dançarem, e todo mundo quer usufruir do nome da Casa de Chá, nem que seja “fiz aulas com a fulana que dança na casa de chá”. O slogan escolhido pelo administrador é clichê, mas tem dado certo “Um lugar de sonhos”.  Podemos enumerar uma série de defeitos lá (eu mesma posso dizer pelo menos uns 10), mas com um slogan como o descrito acima e a figura forte de uma bailarina bem sucedida – Lulu Sabongi (que não dança mais lá, mas vai demorar anos até que sua imagem seja desvinculada da Casa), a Casa de Chá vem através dos anos mostrando que não precisa de mídia externa para alavancar seus negócios – tudo é feito de forma “caseira”.
E ainda existe o marketing viral das bailarinas que viram “Padrão Khan el Khalili” em favor da Casa de Chá – essas divulgam às largas os banners da empresa no Orkut, sites pessoais, My Space, Twitter...
E, falando em Marketing Viral, existem ainda muitas bailarinas que enchem nossa caixa de e-mails diariamente com notícias sobre cursos, espetáculos da escola, sugestões de serviços...


Não vou citar nomes, mas mandei um e-mail para uma escola de São Paulo do meu e-mail profissional que é o que mais utilizo, e após esse evento, recebo DIARIAMENTE e-mails com tudo o que a escola acha conveniente: propaganda de ateliers, divulgação de cursos, divulgação do espetáculo da escola, tudo. Não falha: todos os dias,  exatamente às 14 horas, chega um e-mail desse estabelecimento. Se fico com vontade de “comprar o produto”? NÃAAAAAAAAAAOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO. Pelo contrário. Fico pê da vida com um tipo de abordagem tão insistente e não recomendo pra ninguém.  Acredito que a rede é uma ferramenta poderosa de marketing, mas o fio que separa a divulgação da encheção de saco é, por deveras, tênue.


Mas o que não vemos são as empresas que vendem produtos de dança do ventre utilizarem  ferramentas de marketing, seja ela nas mídias tradicionais, seja em marketing viral.   Enquanto nós demandamos das empresas de telefonia celular, telefonia fixa, TV por assinatura, que nos dêem bônus, períodos grátis e um monte de coisas, nós aceitamos numa boa quando compramos um véu de seda sem desconto, uma roupa de dança por um preço exorbitante.


Na nossa vida “secular” todos os produtos que consumimos têm seu período de preços baixos e liquidações. Em dança do ventre, isso não existe AT ALL, e, nas poucas situações que acontece, representa peças pequenas demais, com defeitos, manchas, lantejoulas faltando, entre outras coisas.
Brindes? Neeeeem pensar. Aliás, deixa eu ser justa: eu já fui fotografada pela Adelita Chohfi “di grátis”, ganhei um sorteio na Mostra Cultural e ela me fotografou e editou as fotos da forma mais profissional possível, e eu não paguei NADA, e no evento Ventremania, da Aninha, alguns dos prêmios das categorias disputadas foram oferecidos pela Therê, dos véus “Silk by Therê”. Fiquei super feliz de ver! Existe esperança!


É claro que em nosso meio, o boca a boca é o marketing mais eficaz, mas nunca é demais ver que as marcas se importam com a gente. Sejam elas restaurantes, escolas, fotógrafos, lojas, etc. 

06 dezembro 2009

10

Nova moda? Bellydance Burlesque


Em tempo: ainda tá rolando o Bazar de Final de ano no Atelier Tia Cecy! Geeeeemtchi, pra quem é magrinha tem coisa "pá carai"  a preços inacreditáveis. Se vc tiver paciência de garimpar, e o quadril estreitim, tem jogos de duas peças (bustiê e cinturão) até por 50 reais. 
Comprei uma roupa LEEEEENDA, com muito svarovski a um preço muito, mas muito camarada. E olha que achar uma roupa pronta para um quadril número 48 habibas, é andar pra mais de metro.


Vai lá: 
Ateliê Tia Cecy
Av. Brigadeiro Luiz Antonio, nr. 1186 ap. 53b
A partir das 14 horas. 
*************************************************
É gurias... podemos dizer que o ano de 2009 foi o ano da grande volta das pin-ups. Isso tá na moda demais: são as roupas, maquiagem, Dita Von Teese, tudo. Você quer uma maquiagem para o reveillón? Procure no youtube, e verá que todas as tendências se voltam para a pin-up makeup. Babadins e curtins com certeza relembram o look pin-up. O preto poderoso nos cabelos e o vermelho inconfundível nos lábios - tudo nos traz o que há de mais pin-up da moda.


E claro, a dança não fica de fora. Já vimos o sucesso que foi o workshop da Luana Mello em Salvador com o tema "Como se mover como uma pin-up", vemos o sucesso que vem fazendo a Cia. Lalique da Shaide Halim, tudo na tendência vintage. 


Daí que eu comprei a Marie Claire deste mês e li a entrevista da Dita Von Teese, e na entrevista ela afirma:


'Burlesco tem a ver com pôr pensamentos sacanas na cabeça das pessoas'


Pensei no que poderia ser uma fusão de Dança do Ventre com burlesque. Daí procurei no youtube "Bellydance burlesque" e olha o que eu achei:





Eu A-DO-REI esta apresentação de Pin-up bellydance... eu dançaria "Alf leyla we leyla" com essa roupa (vixi, sai desse corpo, sai desse corpo se não vai ser queimada pela Santa bellyinquisição).




Eu adorei a vibe "Las vegas showgirls"!



Ainda não me decidi sobre esse vídeo... mas posso dizer uma coisa: depois daquela coreografia com a música da Shania Twain que vi no Mercado Persa, essa daí é inocente no último. Shaide, pode levar sem medo!!!



Aqui também vejo mais tribal do que burlesco, prefiro uma fusão com mais marabú!! Ehehe...

E vocês meninas, o que acham?

Beijins

02 dezembro 2009

5

Bellydance Coaching


Olá habibas

O que é coaching?

Pode-se definir coaching de diversas maneiras. A essência do coaching é: Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer. O coaching apóia a pessoa em todos os níveis, para que se torne quem quer ser e seja o melhor que pode ser. (Fonte: http://www.lambent.com/PDF/BR_What%20is%20coaching.pdf)


Uma professora de dança do ventre pode se considerar um "coach"? Depois do que vi domingo, responderei: "Depende".

Acontece que eu estava maquiando uma das minhas alunas (pra variar) no corredor que dá acesso ao camarim enquanto estava rolando uma apresentação da competição de categoria duplas no Ventremania. Depois de alguns momentos a bailarina saiu um pouco apreensiva, se explicando demais. Pelo tanto que ela se explicava, dava pra perceber que a execução da coreografia não havia saído como esperado.

O que me impressionou negativamente foi a chegada da professora, que apontou com o dedo em riste na cara da menina, dizendo da maneira mais grossa possível:
"VOCÊ PERDEU POR CULPA SUA! NÃO TEVE CORAGEM DE GIRAR E FICOU O TEMPO TODO OLHANDO PRA BAIXO. PERDEU PORQUE NÃO TEVE CORAGEM DE ENCARAR".
E saiu batendo os pés corredor afora!

Fiquei passada a ferro vendo uma situação dessas. Nem quis saber de que escola era a professora ou a aluna, mas me doeu na alma ver a aluna chorando e dizendo "Eu fiquei com medo de cair, fazer o que?".
Entendo que tem muita professora e muita, mas muita mesmo, aluna papa-concurso por aí. Mas gente, o mundo não vai acabar porque a aluna não ganhou um concurso, por favor! Não precisa dizer pra aluna que ela errou o passo: ELA SABE!

É preciso entender o momento: a aluna já está se expondo sobremaneira se colocando na mão dos juízes para ser avaliada, o excrutínio público não é nem nunca foi algo confortável para o ser humano. Se não deu certo é preciso que a professora faça o papel apaziguador: acalme a aluna, a abrace e parabenize-a pelo que deu certo. Em sala de aula, aí sim, enumere o que estava errado e inicie o trabalho para que saia correto da próxima vez.

Esse tipo de atitude é o que alimenta os comportamentos "lantejoulísticos" que existem por aí, porque a melhor defesa é o ataque. Então é melhor ser agressiva do que estar na mira implacável de uma professora assim.

E vamos praticar mais o Bellydance Coaching

30 novembro 2009

5

Amizade em Dança do Ventre

Ontem foi o Festival Ventremania 2009 (que foi massa em todos os sentidos, inclusive com episódio de "o que não fazer como professora", que, claro, vai ganhar post exclusivo aqui no blog), e antes de entrar no Espaço Cultural Grande Otelo eu e duas das meninas do Amar el Binnaz, a Sil e a Alê, fomos domar o calor infernal e tomar alguma coisa na lanchonete próxima.

É lindo de ver como essas duas gurias se dão bem!!! Uma amizade que nasceu na dança e com certeza vai durar para a vida. Daí a Alê comentou: "puxa, quando começamos, eu achava esquisito o fato de dançar com essas pessoas e não ter um vínculo de amizade com elas".

Fiquei pensando... e não é que é verdade? Por que nossas parceiras de dança não podem virar parceiras para a vida?

Mas tenho certeza de que você irá ler e irá pensar: ah, mas eu tenho amizades preciosas que consegui no meio de dança do ventre, que, com certeza, não conseguiria fora, e blá, blá, blá... Acontece sim, e graças a Deus, mas em muuuuuuuuuuuuuuuiiiiiiiiiiiiiiiiiiitttttttttttttttttttttttttaaaaaaaaaaaaaaasssssssssssss situações, as amizades da dança têm data de validade.

Principalmente porque bailarina de dança do ventre tem uma tendência enorme em confundir amizades e oportunidades profissionais. Se sua melhor amiga tiver oportunidade de dançar em um lugar badalado e não convencer o dono de que você precisa dançar também, pronto! Já estremeceu a amizade.  Se você é uma professora de sucesso, e sua amiga, por mais que tente, não consegue alcançar seu status, sua amizade não só corre risco de morte, como pode virar inimizade.
Oportunidades profissionais são como calcinha em situações limite como período menstrual: PESSOAL E INTRANSFERÍVEL. Se, de repente, é possível incluir alguém em uma oportunidade muito bacana,  é certeza de que a amiga tentará incluí-la, mas NINGUÉM TEM OBRIGAÇÃO DE DEIXAR DE DANÇAR EM UM EVENTO OU LOCAL PORQUE A AMIGA NÃO PODE DANÇAR!

Outro problema grave é o "Espírito competitivo" que é largamente alimentado por aí. E isso, me desculpem, é culpa da professora. Se a aluna é competitiva, é obrigação da professora alertá-la de que:
1. Isso não leva a nada;
2. Isso é horrível.
E, principalmente conscientizá-la de que as colegas de sala são suas aliadas e não suas inimigas. E isso estende-se ao "mercado" de dança. As outras bailarinas são colegas de trabalho, e devem ter o respeito e admiração que merecem.

Beijos e uma ótima Semana!

24 novembro 2009

3

Super descontos na NON PAREIL BOUTIQUE!




Olá habibas!!

Quinta feira é Thanksgiving nos Estados Unidos, e quem ganha é o mundo inteiro que pode comprar com os descontos oferecidos pelas lojas na Black Friday. EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!

A Non Pareil Boutique, meu site preferido de compras internacionais para maquiagem, está oferecendo 20% de desconto em todo o site até 26/11/2009. Para você que tem cartão internacional, é uma oportunidade imperdível de ter maquiagem de qualidade.

Vou mostrar algumas oportunidades e seus precinhos camaradas - dólar de 24/11/2009 a R$ 1,72 (os valores demonstrados já com desconto de 20%):

Base para sombras NYX - U$ 4,80 - R$ 8,25
A base para sombras ajuda na fixação da sombras, impede que acumulem na pálpebra e torna as cores muito mais vibrantes!!


Paletas de 10 cores NYX - U$ 6,40 - R$ 11,00


 Paletas de 78 cores NYX - U$ 20,00 - R$ 34,40


 Cílios postiços Red Cherry U$ 2,00 - R$ 3,44


Fala sério gente, é ou não é uma oportunidade? Se você pensar que um trio de sombras de O Boticário custa  R$ 56,00, e uma paleta de 78 cores da NYX de qualidade muuuito superior custa R$ 34,40..

Ah sim, a minha dica é realmente os produtos da marca NYX, produtos de excelente qualidade por precinhos realmente camaradas. Os cílios da Red Cherry também são ótimos, dá para usar muitas vezes.

O atendimento da Non Pareil é excelente, e em português. Arie e Thaís estão sempre à disposição para solucionar dúvidas, e o prazo médio de entrega é de 15 dias.  Não deixe de conferir e aproveitar:
www.nonpareilboutique.com

Beijins

22 novembro 2009

6

Divas da Terra Brasilis - Simplesmente Lulu...




Se quem escrevesse esse blog fosse Carrie Bradshaw de Sex and the City, ela diria que :

"Lulu Sabongi é como um terninho Chanel. Sempre com estilo."

Lulu é um ícone da dança do ventre brasileira. Eu não diria que ela dança, ela flutua...




Além disso, já ouvi falar que das estudantes brasileiras, Lulu é a maior. Já ouvi que ela "kick her ass hard" estudando, no maior estilo "só saio desta sala quando conseguir". É de admirar. São quase 26 anos de dança do ventre, aprendendo e ensinando muitas das melhores bailarinas do país.

Eu pessoalmente já vi muitos e muitos defeitos nela. Sua busca por perfeição e seu tremido extremamente controlado podem irritar os mais apaixonados. Mas ao final do dia percebemos que a dança de Lulu é como a própria vida: estamos sempre buscando o mais perfeito, mas sempre tem uma porra de um shimmie para atrapalhar. E quando jogamos os problemas pela janela, e soltamos o quadril, a vida parece ter solução!

Seu trabalho com o véu de seda pongée deu início a uma era. Hoje não existe bailarina profissional que "se preze" que apresente seu trabalho com véu de qualquer outro material. É o tecido de Lulu, e são os movimentos de Lulu.

Com o tempo, aprendi a respeitar o trabalho de Lulu. E hoje acredito que, sem ela, sem seu trabalho de marketing pessoal na dança, hoje não teríamos esse tanto de bailarinas bem sucedidas e talentosas por aí.

Não há mais o que dizer, só admirar. Com vocês. Simplesmente Lulu...







18 novembro 2009

6

Método: ser ou não ser?

Olá habibas!!

Esta semana li no Bellyblog da Rayzel sobre a falta que lhe faz o método de ensino de dança do ventre, e me peguei questionando algumas coisas:
- Método de ensino é realmente imprescindível?
- Professora qualificada é só a que ensina através de método?
- O ensino através do método estimula a criatividade?
- Uma vez aprendendo através do método, é possível sair do "esquema"?

Primeiramente, o que se pode chamar de método?

Eu não saberia ao certo responder esta pergunta. Em uma modalidade de dança que não possui bases rígidas, e uma forma de ensino globalizada como o Ballet Clássico, tudo o que nomeiam como método nada mais é do que uma forma de ensinar que foi inventada por alguém e escrita em um livro, apostilas, DVD, whatever...

As escolas / professoras que conheço e ensinam através de método são: Luxor, Shiva Nataraj, Níjme, Michelli Nahid e Suheil.

Eu já estive nas duas pontas: já aprendi com quem ensina em um estilo não-estruturado, e já aprendi com quem ensina através de método.

A minha professora tinha um método baseado em coreografias, que ignorava o nível de aprendizado da aluna. Não me importei com esse detalhe ao iniciar minhas aulas com ela (já dava aulas nesse tempo), na esperança de eliminar velhos vícios. A primeira coreografia é de véu. Pensando como professora, imagino alguém que nunca viu dança do ventre NA VIDA já de cara tem uma preocupação dupla: treinar o corpo para realizar movimentos desconhecidos e ainda manipular um véu de forma correta. A quarta coreografia já é de bastão. Ora, ainda tem movimentos "não resolvidos", e ainda temos que girar um bastão.

Pessoalmente gostei da experiência, pois me ajudou muuuuuuito como professora. Mas se eu estivesse começando do zero já questionaria a eficácia do método.

Minhas professoras que não tinham um "método" escrito, com DVDs e apostilas conseguiram tirar o melhor de mim. Shaide, por exemplo, não tem método nem DVD, mas foi o único ser humano no planeta capaz de fazer meu tremido "funcionar".

Vou expor uma opinião pessoal sobre vantagens e desvantagens:

- Acredito que o aprendizado através de método "engessa" o ingrediente principal para toda e qualquer bailarina que é a criatividade.
- Acredito também que o método limita demais, e a graça da dança é você buscar desafios. Ora, e se eu quiser aprender a executar um passo que só será ensinado no Intermediário III? Não poderei aprender porque na cartilha do Básico III não prevê o ensino deste passo?
- Por outro lado, o aprender estruturado te dá a segurança de que você só passa de fase se aprender o que está no "livrinho", certo? Nada de passos meia boca em coreografia nenhuma.

Gostaria de opinião de vocês a respeito, e, habibas que estão acostumadas com o método, comentem e nos contem as vantagens.

Beijins

15 novembro 2009

0

Meu novo bebê - Meeting Balzac - Não deixe de visitar

Olá habibas....

Já faz tempo que tenho o sonho de trabalhar como colunista de alguma revista por aí. Mas o máximo que consegui foi vencer um concurso para colunistas do site www.criaturagg.com.br há 8 anos atrás, mas foi um projeto que não foi pra frente (tipo: faculdade / aulas de canto / cuidar dos pais idosos / tentar convencer meus chefes que não conseguem viver sem mim - completa falta de tempo).

Enfim, adoro escrever sobre auto-ajuda ao contrário. Ou seja, escrever sobre as situações da vida que não deram certo. No melhor tipo "Dormir com um homem casado: o bilhete dourado para Highway to hell". E acredite, há 6 anos que este artigo não está terminado.

Mas, com 24/12/2009 chegando, e meu encontro com Balzac cada vez mais próximo, resolvi criar um blog para falar dos meus 30 anos de experiência sendo uma mulher totalmente na contramão do sistema: baixinha, gordinha, praticante da dança mais dramática do mundo, com uma enorme conta de cartão de crédito.

Meeting Balzac - http://novabalzaquiana.blogspot.com
Um blog sobre tudo o que não entendo, e AMO profundamente!

Vocês estão todas convidadas a ler meu primeiro artigo sobre amizades:


Beijins

14 novembro 2009

1

Ventremania 2009 - Você não vai perder vai?



Fotinho da Aninha batida por Adelita Chohfi!!! Ê Adelita que é phoda!!!!!!!!!!!!

Olá habibas!!!

Meninas de Osasco e região, meninas de São Paulo que amam dança do ventre e não se importam de que "Osasco é longe pá caramba", meninas fãs do trabalho de Ana Claudia Borges... chegou a hora!

IV FESTIVAL DE DANÇA DO VENTRE VENTREMANIA


Data: 29 de novembro de 2009
Horário: a partir das 14 hs



Local: ESPAÇO CULTURAL GRANDE OTELO
Rua Dimitri Sensaud de Lavoud, 100, Campesina, Osasco

Ao lado da Prefeitura de Osasco (pra quem curte o Google Earth: é uma travessa da Avenida Bussocaba) e quase em frente à Fundação Bradesco. 


O festival Ventremania tem caráter competitivo. Há 2 posts atrás falamos de competição de forma trágica, mas eu participo do Ventremania há 3 anos, e posso dizer com segurança que a Ana Claudia escolhe os jurados a dedo, que não vão fazer nenhuma gracinha na hora dos julgamentos, e avaliar a coreografia de forma séria e profissional. 


Ótimo motivo pra vc levantar a poeira e dançar lá!


Inscrições abertas !!!!!

informações: anagborges@yahoo.com.br/ 11 82166516



Para abrilhantar o espetáculo quem vai estar lá? Quem? Quem? Quem?


SHAIDE HALIM EVERYBODY!!!!!!!!!! E a Cia Lalique!





Putz, vai ser foda!!! ADORO todas as oportunidades de abraçar minha mestra do coração Shaide!!!


E quem mais de legal que vai estar lá, deixa ver... EU, obviamente, ahahah (modesta pa carai), e o grupo Amar el Binnaz vai dançar a coreografia das taças. 


Então, se vc tá afim de ver dança de qualidade, receber uma avaliação SÉRIA e isenta, se divertir e conhecer gente MUITO boa, vai lá.


Beijins

10 novembro 2009

11

A imagem da bailarina



Olá habibas!!

O texto abaixo foi postado na comunidade "Fanáticas por Dança do Ventre" em 04/06/2009:

"Eu nunca imaginei uma bailarina que não fosse encantadora fora do palco.
Para mim, a Bailarina é um ser mágico, encantador.
Ela flutua, ela gira, ela faz shimmies, ela tem braços lânugidos e suaves, ela sorri e faz com que o véu seja um elo entre nós, pobres mortais, e sua dança feiticeira.

Um dia, ao sair de uma apresentação, fiquei surpresa ao encontrar a bailarina, antes ícone, agora fumando um cigarro barato, entre copos de cerveja e drinks coloridos.
Ela não usava maquiagem e tinha uma roupa em que mostrava a peça íntima e uma combinação que beirava o acaso - e o fracasso de qualquer estilista.

Quando a vi com olhos chapados, com um riso lento, pensei:
Será que um dia ela vai ser solista?

E fiquei imaginando se Isadora Duncan, Ana Botafogo e Suheir Zaki já haviam feito algo parecido.

Porque não fazer isso em casa, escondida do público e de câmeras indiscretas (eu tirei uma foto com meu celular, para garantir).
E me perguntava se o olhar era de alguém que tinha fumado um baseado e fiquei tentando entender como uma bailarina poderia fumar e beber e ainda por cima querer fazer a coreografia com perfeição.
Aliás, como alguém que cai na noite sempre e sempre, ainda quer ter privilégios no momento da coreografia?



Visivelmente, é o declínio, a desfeita.
Uma bailarina nessa situação é apenas um objeto de escárnio e ridículo.
E ainda pode reclamar que outras fazem duos, solos, mas não pensam na resistência física delas, no corpo bonito, sem gordura ou inchaço da cerveja de todo fim de semana, e na expressão leve, tranquila, da boa alimentação e forma física que só as dedicadas e seguras do seu potencial têm.

Boas bailarinas, não são escravas do social, das noitadas, do cigarro (que deixa o hálito como cinzeiro velho e cabelos podres),maconha (que deixa com aquele olhar de peixe morto e a fama horrível de 'maconheira/drogada').

Sim, hoje eu vi que uma bailarina não se faz só em treinos, fotos, técnica.
Ela se cria durante sua´própria vida, dentro e fora dos palcos.

Ela sabe que sua 
imagem fala mais do que mil palavras e ela é inteligente o suficiente para saber que sempre tem alguém olhando.
A quem ela quer enganar: Será possível essa incoerência do tipo: "No palco sou linda e meiga, fora dele sou uma doidinha que fuma e bebe?"

Bem, não nesse caso, não assim, não é desse jeito que se coloca uma aura encantada e diz: 'sou bailarina'.
Se você vive nessa dualidade, sem saber quem é e que horas você é esse alguém, sinto muito.
Você não é nem bailarina, nem digna de fazer solos ou duos e trios e nem 'doidinha, moderninha, maconheirinha de quinta'. Você está é perdida.
Que pena."

Escrito por: Najlah Nurin
(Alessandra M. Forte)



***********************************************************************************************************
Este é o tipo de texto que te coloca para pensar: vale a pena mesmo ser bailarina? 


Vale a pena você aguentar todo o escárnio, o pouco caso, as lantejoulites do nosso mundinho dourado e não poder engolir tudo isso com uma dose docinha de Jurupinga?


Antes de sermos bailarinas somos, ANTES E ACIMA DE TUDO, seres humanos, com defeitos e assincrosias que nos tornam maravilhosos e únicos em nosso estilo. Mesmo que seja entre um copim e outro. 


Concordo que não dá pra dançar chapada, mas também não dá para viver "bailarinada". Convenhamos: estar sempre perfeita é algo que não existe, e nem funciona. Aliás, perfeito é muito, mas muito chato. 


E vocês, o que acham?


Beijim.

05 novembro 2009

1

Para onde vão?

Quando comecei a dançar, há quase 6 anos atrás, DVDs de Dança do Ventre eram raridade. O material mais acessível disponível eram VHS, e os meus, na maioria, eram comprados lá na loja do Tony por incríveis R$ 45. Ainda bem que aqueles tempos acabaram! Ahahah...


Mas, enfim, foi minha oportunidade de acesso às fitas “hit” da época que eram as vídeo aulas de Lulu Sabongi.

O que eu mais gostava nas fitas de Lulu eram as danças exibidas entre os blocos. Eu ficava muitas horas assistindo, e, dentro da minha rotina de estudos, sempre quis ser uma daquelas bailarinas que estavam nos vídeos da Lulu, às quais eu julgava serem do Olimpo da Dança do Ventre no Brasil.

Em seguida comecei a freqüentar o fórum KK, lar doce lar dos comentários de Jorge, Douglas e das bailarinas que dançavam na casa. ÓOOOOOOOHHHHHHH... eu poderia ter contato virtual com as tais deusas, que faziam comentários longuíssimos, e me lembro bem de um comentário de uma das bailarinas que dizia: “Então, como sou uma pessoa pública, blá, blá, blá, blá...”

Bom, deixando a KK pra lá, minha reflexão com vocês hoje é sobre a notoriedade dentro da dança do ventre. Veja bem, eu disse NOTORIEDADE, e não SUCESSO. Sucesso, como disse brilhantemente a Aisha Jalilah em seu blog “Dança corporativa”, sucesso quer dizer padrões pessoais, financeiros e de relacionamento acima da média. Existem muitas bailarinas por aí que são famosas, mas ainda têm que manter um ritmo frenético de aulas, workshops e shows para ter um salário aceitável. Isso está longe de ser sucesso. Isso é se acabar de dançar por valores irrisórios para ter uma vida, no mínimo, digna.

A chamada “Fama” em dança do ventre é tão ou mais efêmera do que em outros meios. Você discorda? Bem, pensando rápido, me diga o nome de 5 bailarinas que participaram dos vídeos de Lulu e não dançam na casa de chá hoje. Vê? Naquele momento elas eram “TV Fama”, mas quando não dá para se manter nos holofotes, o que fazer?

Bom, só para responder a pergunta das bailarinas, vou citar algumas que eu adoro e que nunca mais vi: Thais Bissoli, Shams, Vivi al Fatna, Zur Yazbek.

Acredito que o comportamento da bailarina durante o “seu momento” é primordial. Manter-se humilde (vamos combinar que se dizer uma “pessoa pública”, sem ter figurado nas páginas da revista, sei lá, Caras, é, no mínimo, pedante), saber recompensar o esforço de quem viaja kilômetros para vê-la dançar, respeitar o rico dinheirinho pago pelas alunas nos workshops que você irá ministrar, principalmente, fazer um show de qualidade e alto nível quando convidada de algum evento, ter empatia com outras bailarinas, saber fazer amizades, mais ainda, saber manter bons contatos, tudo isso é importante para manter a “chama da fama” acesa.

Meus exemplos de sucesso, são Carlla Sillveira e Michelli Nahid. Ambas são bailarinas excepcionais, dançam muito acima da média, ministram maravilhosos workshops e, principalmente, são umas queridas.

Isso sim é fazer parte do Olimpo da dança do ventre.

01 novembro 2009

12

Situações de professora...



Olá habibas...

Hoje vou escrever pra vocês um desabafo de algo que acabou de acontecer comigo.

O grupo Amar el Binnaz é formado por alunas da academia da Galpão 21 Fitness, localizada no bairro da Cohab de Carapicuíba. Como é de conhecimento de todo mundo, a Cohab é um bairro modesto, de pessoas de baixo poder aquisitivo. Lecionar dança do ventre em um local assim e ainda levar as alunas nos festivais é um desafio, pois, nem todas tem condições financeiras de arcar com os custos de um figurino de ateliê. Mas, pessoalmente, não estou nem aí. Quero que minhas alunas dancem com figurinos de ateliê, da 25 de março, whatever, desde que elas DANCEM.

E minhas meninas são dedicadas. Pô, minhas aulas são de sexta feira à noite, então meu concorrente é quase imbatível: a balada. Mas elas são interessadíssimas e não faltam a uma única aula.

Hoje foi a Mostra e Competição Oriental na ACM de Osasco. Decidimos participar por insistência de uma das organizadoras. Lá vamos nós. Ensaiamos muito. Ensaiamos duro.

Hora da apresentação.

Meu candelabro não acendia. Merde!!!!!!!!! Na hora pensei que iria ferrar com a apresentação das meninas que ensaiaram tanto. Decidi tirar o candelabro de última hora e dançar sem nada mesmo.

Jurados com cara muito séria (Me lembro da Dani Fairusa e da Vivian que foi capa do último CD do Tony, e a outra era do corpo docente da ACM), fizemos nosso trabalho e saímos. Missão cumprida.

Hora da premiação. Já havia falado pras meninas que não se espera nada desse tipo de evento, que o importante é participar, blá, blá, blá, que se divertir era o nome do dia. Que iríamos receber as notas e discutí-las em aula, para avaliar os pontos nos quais deveríamos melhorar.  Não ganhamos nada. Não houve primeiro lugar. Não entendi.

Depois que saímos do palco, peguei as avaliações para olhar, as meninas todas em cima para ver os comentários dos jurados. E eis que surge o comentário fatídico:

Figurino - 5 - "Fantasia não é o figurino adequado".

Fiquei sem chão. Eu NUNCA tinha visto um comentário desse nível. O pior, que a jurada em questão (que não se identificou na ficha) nos deu notas altas em Técnica, Harmonia e Musicalidade. Minhas alunas, que fizeram sacrifício até para comprar a roupa na 25 de março, olharam para mim e perguntaram se era isso que seria avaliado. Eu sei que figurino é sempre um dos quesitos de concurso, e sou consciente de que poderíamos perder pontos porque as meninas estavam com roupas da 25 de março, principalmente num concurso onde 80% das competidoras estavam de Tony & Robby. Mas sei também que bom senso cabe em qualquer lugar, e muito embora não houvesse glamour no figurino, havia muita, muita dança.

Fomos ao vestiário. Minha aluna aos prantos me dizia: "Verinha, se for para dançar com figurinos caros, eu terei de parar de dançar, pois não tenho condições". Aquilo para mim era como se fosse uma punhalada. Não da minha aluna, claro, mas dessa "visão" torta que existe no meio de dança do ventre.

Ainda não sei qual foi a lição dessa história. Talvez vocês possam me ajudar.

Bom feriado a todas.

28 outubro 2009

10

Quem pode e quem não pode!!!!!


Esta situação do último post me fez pensar.

Vamos relembrar:

Nossa colega Juli (que será jogada no calabouço dos comentários moderados até que eu saia do período menstrual) me disse que não posso falar do corpo da Dina, porque meu corpo não é escultural, e eu não tenho o abdômen da Karina Galasso.

Bom, a parte boa foi que pesquisei sobre a Karina Galasso, da qual eu nunca tinha ouvido falar, e até gostei da dança dela. Vou pesquisar mais.

A parte ruim, e que me fez pensar é: será que somente fazendo igual ou melhor é que podemos manter um pensamento crítico?

Vamos pensar de forma secular. Um crítico de cinema precisa necessariamente ser um diretor renomado, que já dirigiu 50 filmes para fazer uma resenha ou mesmo estabelecer uma opinião sobre algum filme? É claro que não. Um analista de mercado precisa ter uma empresa de sucesso que fature bilhões de dólares por ano para emitir seu parecer sobre o cenário econômico do país? Fala sério!!!!

Na dança, e nas atividades seculares (cinema, televisão, livros, música), um crítico é, acima de tudo, um estudioso. Uma pessoa que dedica parte do seu tempo (ou, no caso dos críticos profissionais, full time job) a analisar determinada matéria à exaustão, e, com base em seu conhecimento, divulgar sua opinião sobre determinado assunto.

Mas as bailarinas de dança do ventre, que mesmo nas primeiras semanas de aula consideram a si mesmas “Divas”, só aceitam opiniões de quem julgam melhores do que si mesmas. Putz, então quem será que pode emitir opiniões isentas sobre Shahrazad, Lulu Sabongi, Hayat el Helwa, Suheil, Carlla Sillveira, Soraia Zaied, Renata Lobo, Karina Iman, Michelli Nahid? Deus?

Hoje em dia, com as ferramentas de internet, youtube, orkut, blogs mil, nos tornamos não só bailarinas, mas estudiosas de dança, e conseqüentemente, críticas. E isso não é algo ruim. A longo prazo será uma senhora evolução, porque (acredito eu, em meu mundinho de sonhos) só permanecerão no mercado serviços de alta qualidade. Porém, nossos egos de divas não estão preparados para recepcionar tanta “sinceridade”.

Quem deve mudar então? Nós devemos mudar a nós mesmas, aprender a lidar com as evoluções e construir nossa própria evolução pessoal? Ou devemos nos recolher à mediocridade porque não temos o abdômen da Karina Galasso, ou a língua afiada da nossa amiga Juli?

O que vocês acham?

25 outubro 2009

8

Dina - e tudo o que qualquer uma quer...


Olá habibas...

Existem estágios na vida nos quais, para quem os alcança, tudo é permitido! Por exemplo, para um estilista que chegou à semana de moda em Paris, muito pouco é proibido. Para um financista que chegou a Wall Street (será que um dia eu chego lá?), também. Para uma mulher que chega ao posto de primeira dama ("posição" que lhe dá o poder para quase tudo, para o bem ou para o mal), também.

E dentro da dança, qual é a posição a se alcançar? Essa é fácil responder, e pode ser que MUUUUITOS torçam o nariz: DINA MEU BEM!!!

Dina "is all about adds" (ou simplesmente "pura propaganda). Ela não tem uma técnica invejável, tem um corpo horrível, usa roupas de gosto extremamente duvidoso, e ainda assim é a estrela da noite de gala do Ahlam wa Salam! Ok, você pode pensar "É por isso que a dança do ventre não tem o respeito que merece." E daí? Estou falando da posição do indivíduo. Dina pode fazer o que quer em relação à dança: ela já deixou sua marca.

Temos que concordar com uma coisa: Dina não se conformou em ser "mais uma" bailarina no circuito egípcio. Ela queria ser "a" bailarina. Veja bem, em terra de cego, quem tem olho é rei. Ou seja: técnica de dança, no Egito tá cheio. Faça uma simples comparação: pense rápido em passistas de escola de samba. Pensou? Eu te digo já em quem você pensou: na Globeleza, aquela que sambava pelada na televisão. Viu como a Dina pensou certinho em sua marca pessoal?

Alguns vídeos do início dos anos 90 mostram uma Dina mais preocupada com a técnica, em fazer seu nome. Os figurinos são um tanto "diferentes", mas pouco ousados. À medida que os convites foram aumentando, as saias foram diminuindo na mesma proporção, até chegar praticamente a cobrir exclusivamente o bumbum! E tudo isso sem abrir mão daquele redondão característico com o quadril virado para o público.

Ela goza de status de celebridade, tem vídeo sexy rolando por aí, problemas com a receita federal de seu país (é colega, sonegação de impostos mesmo!) e tudo o mais, e ainda assim não deixou de receber convites para dar workshops no mundo inteiro. Se isso não for sucesso meu bem, sei lá o que é.

Aqui, alguns vídeos da Dina em suas roupas escandalosas para divertir o domingo!!!

Um chero!
´




22 outubro 2009

2

Série concursos parte II – A música!!


Olá gurias...

Para quem acompanha o mundinho dos concursos de Dança do Ventre, e quer participar de um deles, já vou logo avisando: a escolha da música certa representa 40% do seu sucesso. E por causa disso, essa etapa do processo é uma das mais difíceis.

Mas o que há de tão especial na música escolhida? Os jurados não estão lá para avaliar técnica, leitura musical, e outras cositas mais? Quer dizer que uma simples musiquinha pode me sabotar? A resposta é YES DEAR!!!!

Pegando o concurso profissional do Mercado Persa desse ano como exemplo, várias meninas muito boas foram eliminadas nas primeiras fases porque se apresentaram com músicas que não as favoreceram. Tudo bem que houve Aghadan Alkak, pra mim uma das obrigatórias pra qualquer bailarina profissional (talvez você não lembre pelo nome, mas é a música de um vídeo super famoso da Suheir Zaki no qual ela está com a roupa amarela), e os jurados canetaram mesmo quem se apresentou com uma música que não fosse hit.

Tudo se define em:
A categoria na qual você irá concorrer;
O que você terá que apresentar (se clássica, se folclore)
Qual música combina com você.


Eu pessoalmente não gosto de músicas “hit” para concursos, aliás não gosto de músicas que são “hit” para nada dentro da dança. Tirando Alf Leyla we Leyla e Enta Omri, dificilmente você me verá dançando alguma música da moda. Mas, infelizmente, essa máxima não serve para concursos. Basta ver no post anterior que 3 dos vídeos listados foram com a música “Cairo”, uma das músicas mais executadas dentro do circuito brasileiro de dança oriental. Então amore, a não ser que você tenha certeza de que os jurados serão pessoas totalmente off dança do ventre, deixe a música “diferente” para o festival de final de ano ou qualquer outra apresentação. Existem também músicas famosas que não são tão executadas nos concursos, e você certamente pode apostar nelas (eu acho assim, TODAS as da lista abaixo muito difíceis):

Ana fi Intizarak (Om Koulthoum)
Wayyak (Farid el Atrashe)
El hob kolloh (Om Koulthoum)
Koleda (não sei de quem é, shame on me guys!!!)

O estudo da música para composição da coreografia poderá ser dividido em 3 partes:

- Melodia
- Percussão
- Floreados

Uma boa dica neste caso é usar o equalizador do seu Media Player e, quando está estudando um item, neutralizar o outro através do equalizador. Ouça a música, se preciso, um milhão de vezes. Não se canse dela. Abra a mente, deixe a música entrar de verdade. Isso fará com que você esteja muito familiarizada dentro da melodia e, se pelo nervosismo você esquecer algum passo, naturalmente seu corpo já reaja mostrando outro movimento qualquer.


Para as profissas que vão ao Mercado Persa: eu recomendo pegar os DVDs dos últimos anos e fazer uma seleção de músicas, e deixar todas "na manga". No mesmo esquema de estudo para a pré-seleção. NENHUMA TÉCNICA vai camuflar seu nervosismo com uma música desconhecida, então "prevenir é melhor do que remediar".


O mais importante em relação à música é que ela “fale ao seu coração”. Que seus movimentos sejam nada mais, nada menos do que a demonstração viva das notas que estão na partitura. Tenho certeza de que os jurados vão adorar!!!!!!!!!!

18 outubro 2009

5

Construindo a coreografia para concursos!


Olá ayunis!

Final de ano chegando, muitas professoras já começaram a esquentar as turbinas para o Concurso Nacional de Dança do Ventre, que acontece no mês de Abril no Mercado Persa. Há quem ache meio cedo para falar nesse assunto, mas se você pretende participar do concurso e nem começou a "desenhar" a coreografia, vou te dizer uma coisa nega, do fundo do coração: CÊ TÁ ATRASADA!!!

Sei que vocês podem pensar que esse post deveria estar sendo escrito por alguém que tenha VENCIDO um concurso (Luaninha meu amôoo: me ajuda hein!!), mas sou uma grande interessada nas danças apresentadas nos concursos por aí, e posso até me dizer uma estudiosa das coreografias avaliadas nas pranchetas dos jurados.

Vou postar alguns vídeos aqui, não pretendo dizer se a dança é boa ou ruim, não estou avaliando a qualidade técnica dos passos, e sim a sequência coreográfica, ok? Colocarei também somente vídeos de vencedoras, porque a última vez que coloquei vídeo das concorrentes, foi aquele escarcéu que vocês já sabem.

Começando com: Ana Claudia Borges
Vencedora do concurso internacional de Dança do Ventre promovido no festival Aida Nour, no Egito, em 2007.



Como vocês podem ver, é uma dança alegre. Eu já assisti a coreografia "Hellwa" apresentadas pelas alunas da Aninha, e é uma coreografia difícil, mas assistindo esse vídeo, o prazer da Ana em dançar faz parecer fácil. As sequências são estruturadas, e a interação com o público faz a diferença. Ana mostrou muito da dança, diversificou muito bem os passos, e fez uma leitura precisa dos ritmos.

Mariana Poças
Vencedora do Mercado Persa 2009, que teve como tema Samya Gamal
Música: Cairo



Mariana chegou ao Mercado Persa já com o "peso da faixa" porque é aluna de ninguém menos que Carlla Sillveira. Trouxe o pedaço de um filme estrelado pela Samya Gamal para o palco, entrando com um casado de peles e o olhar blasé. Braços exagerados e precisos, assim como a musa inspiradora. Muito, muito, muito arabesque no começo da coreografia e: certa ela, jurado aqui no Brasil gosta disso mesmo. Não houve diversidade nos passos, assim como não há na dança da Samya Gamal. Ou seja, se era pra dançar igual, ela fez a lição de casa. Perfeito.

Serena Ishtar
Vencedora do Concurso Internacional Bele Fusco 2008
Música: Cairo



Serena aproveitou a introdução da música Cairo com muita diversidade no véu, e a introdução da música clássica com véus certamente ganha pontinhos nas pranchetas por aí. O que me chamou a a atenção, e certamente dos jurados também, é a delicadeza e charme dessa bailarina, e isso fez uma diferença enooooorme na dança. Eu não consigo descrever se ela estava dançando uma coreografia ou dançando de improviso. Vi muita leitura percussiva, mas sem estruturação, passos "soltos", sem conexão. Mas o conjunto da obra agradou e ela levou "a taça".

Hadara Nur
Vencedora do Mercado Persa de 2007 que teve como tema "Acessórios Diversos"



Não encontrei o vídeo da final para mostrar pra vocês, mas ainda assim é muito interessante porque a música das eliminatórias é escolhida pela organização do concurso, e, no concurso profissional, não é divulgada com antecedência. Mas a Hadara mostrou que conhece muuuuito bem a música e, mesmo sem uma coreografia na manga, "bolou" sequências que funcionaram muito bem, diversificou muito os passos, fez uma excelente leitura percussiva e colocou sua assinatura na música com muita personalidade.

Luana Mello
Vencedora do Mercado Persa 2006 que teve como tema "Fogo"



Luana fez uma coreografia muito elaborada, uma leitura musical perfeita, a leitura percussiva excelente, podemos dizer praticamente que ela não perdeu nenhuma batida, e os movimentos sinuosos suaves e precisos.

Como ferramenta de estudo, os vídeos das vencedoras são imprescindíveis, mas nunca se esqueçam de que "figurinha repetida não completa álbum". Observe o que as antecessoras fizeram, mas não esqueçam nunca de colocar muita personalidade! E boa sorte a todas.

Um beijo.

14 outubro 2009

2

Expressão: coisa de indiano?


Olá habibas!!!

O primeiro vídeo de dança indiana que pude colocar as mãos foi emprestado pela querida Shaide, era um vídeo de Kathak (estávamos desenvolvendo uma coreografia de tribal cujo "tema geral" era Kathak, e ela, generosa que sempre foi, me emprestou o DVD para estudo) de uma bailarina chamada Uma Sharma. Eu fiquei encantada (na realidade bestificada) porque uma das "danças" era um close de rosto da bailarina "contando uma história" através da expressão. É claro que não entendi nada, mas aquilo me marcou. Confiram vocês:




No vídeo abaixo, ela "descreve" um pedaço da música, e é muito interessante de ver as mudanças de expressão:




Outra peça que me encantou foi a dança de uma bailarina de Barathanatyam chamada Medha Hari. Nesta peça de dança, perfeita por sinal, ela ilustra a "história", e por mais que não entendamos nada do que está sendo falado, certamente um gesto, um olhar nos será familiar.





Minha pesquisa sobre expressão continua. Certamente, enquanto estudantes de dança do ventre, temos MUITO a aprender com a expressão dos indianos. É OBVIO que a situação é bem diferente, porque, na maioria das vezes, não sabemos o que estamos dançando. Mas hoje existe a internet, e a possibilidade de se pesquisar a tradução da música para oferecer ao público uma dança diferenciada, rica em expressão porque a bailarina sabe exatamente a mensagem que o compositor quer transmitir.

Um beijão!!!

11 outubro 2009

5

Tutorial de Maquiagem: Rachel Brice em Solos de Monte Carlo


Olá habibas!!!

O tutorial de maquiagem da semana é inspirado no vídeo Solos de Monte Carlo das Bellydance Superstars. É uma das pouquíssimas performances da Rachel Brice onde a maquiagem não é pretíssima e só, tem dourados e glitter, e uma bocarra vermelhona!!!

Eu ainda surtei e coloquei um lenço vermelho na cabeça e uma flor roxa no cabelo, o objetivo era ser tribal, mas acho que ficou mais para Sandra Rosa Madalena, ehehehe!!

Espero que vocês gostem e até a próxima!!!





10 outubro 2009

3

Espetáculo de Gala


Olá meninas!!!

Estou divulgando o Espetáculo de Gala: Ana Claudia Borges - 10 anos de Dança do Ventre

Local: Teatro Municipal de Osasco - Avenida dos Autonomistas, 1533 - Osasco

Data: 16 de outubro
Horário: 20 as 22

Convites: R$20,00
Antecipados: R$15,00

Informações: anagborges@yahoo.com.br/ 82166516

Meninas de Osasco e região: vocês não podem perder!!!!
Acompanho todos os eventos da Aninha e posso garantir: Dança de qualidade, sem exageros, tradicionalíssima, enfim: imperdível!!!!!!!!!!!

Beijim.

06 outubro 2009

6

OFF TOPIC: Conselhos para amigas solteiras!


Olá habibas...

Esse final de semana resolvi desenterrar meus DVDs da série Sex and the city que eu ADORO loucamente. Em um dos episódios, uma ultra mega patricinha (Brooke), que só saía com caras extremamente bem sucedidos, se casa no Hotel Plaza, em uma festa caríssima, com um homem que tem uma cara do maior mane do hemisfério norte. E ao final da festa a noiva abraça suas amigas solteiras e dispara para cada uma delas um conselho:

“Finalmente resolvi crescer e assumir uma família, dê a você mesma essa oportunidade”.

“Somente case com um homem que goste mais de você do que você dele”...

Embora isso faça parte de um seriado, e a intenção da cena é ser cômica, vi nisso uma coisa bacana. Afinal, no dia do seu casamento você é a estrela da festa, não existe oportunidade MELHOR de se fazer ouvir do que “armada” com o vestido branco, ehehe... Mas se eu pudesse voltar para aquele dia (mágico, esplendoroso e LOOOOSHOOOOO), eu daria os seguintes conselhos às minhas amigas solteiras:

- O maior de todos: homens amam mulheres que amam a si mesmas. Ou seja, quando quiser entrar em guerra com o sexo oposto, comece com seu cabelo, suas unhas....

- Se aparecer aquele cara absurdamente legal, cavalheiro, companheiro, com uma boa conversa que te faz dar boas risadas, não seja boba, PEGA MESMO. E de preferência que a “atitude” seja sua! Mas ao final não se sabote cobrando juras de amor eterno. Apenas VIVA e deixe viver...

- Jamais deixe de colocar a calcinha vermelha fio dental porque acha que engordou! É mais fácil você perder um homem porque deixou de surpreendê-lo do que porque está mais gordinha!

- Aliás, falando em calcinhas, se, de repente bateu uma dúvida entre a branca de algodão e a preta minúscula de rendinhas, lembre-se de que nem a mais sexy das rendas pode fazer sensual uma mulher chata e de baixa autoestima;

- Troque o estereótipo da “perfeitinha” pela “pervertida”, seja ousada e sexy, e, se a chama subir no primeiro encontro, e daí? Se o cara NUNCA MAIS te ligar, sinal de que ele NUNCA MAIS vai viver um momento de puro tesão com você (ou com qualquer outra, já que ele não vale nada), oh pobrezinho...

- Ame, ame, ame, não se amarre por nada, porque ninguém ama igual. Mas Deus, em sua infinita sabedoria, também não nos ensinou a “medir” o amor de ninguém, e, quando tentamos fazê-lo, na maioria das vezes estamos enganados pra caramba!

- Um homem procura uma mulher, uma amante, uma mãe, mas acima de tudo, procura um MANO! Então colega, bora jogar Guitar Hero, assistir futebol de domingo à tarde e fazer campeonato de peidos. Além de te amar loucamente, o gajo vai ter certeza de que fez a escolha certa e está ao lado da mulher mais gente boa do planeta.

- Nada excita mais um homem do que uma “pesquisadora da arte”: Kama Sutra, pompoarismo, vídeo pornô, baralho de posições... Invista em si mesma!

- Ah, e pra deixar uma leitura pras gurias que certamente fará diferença na maneira como ela “encara” o sexo oposto:
O Orgasmo Múltiplo do Casal
Douglas Abrams / Mantak Chia
Editora Objetiva
http://www.objetiva.com.br/objetiva/cs/?q=node/329

Beijins

04 outubro 2009

2

Divas da Terra Brasilis: Nagla Yacoub


Olá habibas!

Incrível como o ser humano consegue "eleger" alguém como seu modelo de sucesso. Eu, pessoalmente, sempre elegi estas figuras em minha vida, e, de alguma forma, todas foram ou são muito presentes em minha caminhada (por favor não riam, é algo muito pessoal hein!!!): Em primeiríssimo lugar: Mamãe (grande mulher, mãe de 7 filhos, vó de 10 netos, criou os filhos, trabalhou pra caramba e viveu um grande amor com o homem mais fantástico do planeta, meu pai), Margaret Tatcher, Rainha Elizabeth, Cleópatra, Nefertari (a esposa amada do faraó Ramsés II), Willie Mandela, Benazir Butho, Ana Botafogo, Randa Kamel, Oprah, Condoleeza Rice, Fernanda Montenegro, Rainha Silvia da Suécia, Jillian Dempsey, e, recentemente, Joelle Mardinian, entre outras.

E, agora tenho um nome para acrescentar na minha lista: Nagla Yacoub. É isso mesmo, quando eu crescer, quero ser a Nagla Yacoub!

Nagla tem vários anos de carreira como coreógrafa de danças folclóricas, e outros tantos anos de carreira de dança do ventre. Mas, nada do que eu escrever aqui fará justiça a essa pessoa, ela é simplesmente FANTÁSTICA! E agora que ela dá aula pertim da minha casa, minha chefe resolveu se apaixonar loucamente por mim. CARÁI!! (tudo bem, isso faz parte do projeto "Carro novo", "Egito", então a gente faz alguns sacrifícios né...)

Em aula, vamos dizer assim, ela é ligada no 440! EU fiquei com vergonha de mim mesma! Depois que tive a aula experimental com a Nagla, descobri que minha aula é MUITO parada! Extremamente observadora, ela dá toques sutis, sem constranger, isso é muito legal. Experiência, maturidade, algo que não se aprende nos workshops caríssimos por aí. Sua proposta é inovar dentro do que o folclore tem de melhor, e qualquer sequência de 4 passinhos já mostra que o "lance" será diferente do que você está acostumada a coreografar para folclore, porém é MUITO BOM.

Conversei 5 minutinhos com a Nagla, e passei a admirá-la ainda mais, porque diferente das bailarinas de hoje, que foram criadas no "aplauso", ela se formou bailarina de dança do ventre diante de uma grande situação adversa da vida, provando, como diz a Aninha, que "nunca é tarde para começar", e mais ainda, nunca é tarde para ser um grande sucesso na DV. Isso é pra quem póooodi meu bem. Afinal, há bailarinas que deixam de dançar só porque não passaram na pré seleção, ou não entraram para o casting do Omar Naboulsi, mas Nagla permaneceu firme. E hoje é o que é, dança LINDAMENTE, clássica, folclore, coreografa PA CARÁI, e, acima de tudo, é um ser humano fora de série.

Com vocês: Nagla Yacoub.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...