31 dezembro 2008

1

Feliz Ano Novo

Olá habibas!

Hoje o blog vai ter seu momento "meu diário"...

Estou no trabalho e é 31 de Dezembro... Caramba, em 14 anos de vida profissional nunca trabalhei nesta data. Sempre tem uma primeira vez, não é mesmo?
Talvez seja melhor assim. Dia 31/12 é o dia no qual eu sinto mais falta do velho Seu Moreira. Me doeu mais do que no ano passado acordar e não sentir o cheiro de seus temperos, e de vê-lo organizando as panelas da ceia de Reveillón.

Se a festa de ano novo fosse uma operação de guerra, meu pai certamente seria o general! Ele, como grande cozinheiro que sempre foi (e, na verdade, eu acho que Deus tava precisando de um bom cozinheiro lá no céu, por isso o chamou), acordava cedo, já estava com tudo temperado e iniciava os procedimentos para que todos pudéssemos suspirar satisfeitos à meia-noite. E tudo o que ele pedia em troca era os sorrisos satisfeitos de quem tinha gostado da comida. A gente dizia "Ê seu Moreira, não sabe brincar hein... que lombo é esse!!!" , "Putz, acho que essa farofa é a mais gostosa de todos os tempos..." Ele enchia o peito, ficava todo todo!!! Dizia orgulhoso "Cê gostou? Que bom!"

Acho que sinto mais falta de tudo isso porque me sentia criança novamente... ele, comandando suas panelas, e nós todos admirados com tamanho talento, e nutrindo aquele sentimento infantil "Esse é o meu herói".

De todas as coisas boas que meu pai me deixou, acho que a lembrança das festas de ano novo foi a melhor delas. E, como não poderia deixar de ser, também foi sua "festa de despedida", já que 2 semanas depois de sua festa preferida ele foi comandar as panelas do céu e cozinhar para o Altíssimo.

Meu pai, meu velho, meu amigo. O homem mais importante da minha vida.
Que saudade!!!!!!!!!!!
Nestes dois anos tenho feito um esforço sobre humano para tentar não chorar e me entristecer porque sei que o senhor conta comigo para segurar as barras aqui na terra.
Mas é difícil demais, é triste demais, é cruel demais saber que não poderemos mais estar juntos.
Falta 10 dias para o casamento, e penso no quanto o senhor estava preocupado em comprar um terno novo porque "a Vera vai casar em breve"... mas o dia tá chegando e o senhor não está aqui. Dói tanto. Eu queria tanto poder entrar na igreja de braços dados com o senhor, que sempre foi meu maior orgulho. Orgulho de ser sua filha. Orgulho de chamá-lo "meu pai".
Prometo, meu Velho, que vou sempre guardar seus ensinamentos... que o senhor vai continuar vivo no meu coração, nas atitudes da nossa família, no sorrisos dos seus amados netinhos.
Aguardo ansiosamente o dia do reencontro.
Te amo pra sempre.

Sua filha

21 dezembro 2008

4

Noite de paz... noite de amor!

Habibas!

Estou aqui para desejar um Feliz Natal!

Que a noite seja realmente de paz e amor! De união com a família! De compreensão e perdão.

Vamos comer rabanadas com moderação (e, no meu caso, bolo de aniversário com moderação - meu níver é 24/12), mandando uma energia positiva para tia Verinha que não pode engordar um grama sequer por causa do vestido de noiva!!!

Vamos mentalizar um 2009 com muita dança, muito respeito às nossas colegas de palco, e muita paz em nosso meio!

Beijão

Verinha

18 dezembro 2008

4

Sorteio...


Olá Habibas...

De repente me deu uma vontade loooooouca de ter muitas seguidoras no meu blog, ehhehe...

Para incentivar a galera a acompanhar o blog, vou sortear entre as 100 primeiras seguidoras o DVD "Tempos" da Michelli Nahid.

É uma ótima possibilidade de ter um DVD maaaaaaaaassssaaaaaaaaaa que vai te emocionar e acrescentar muito no seu estudo de dança!

Então mulherada, vai lá: lado esquerdo do blog, link "Acompanhar este blog", se joga. O sorteio acontecerá dia 17/01, ou assim que o blog tiver 100 seguidoras!

Grande beijo

Verinha
3

Quem emociona?

Nur, a bailarina que "é" a música e a alegria de dançar...

Olá ayunis...

Tenho lido muito ultimamente sobre bailarinas que "emocionam" ou não emocionam (leia aqui uma discussão que surgiu no blog da Luanna sobre isso). Isso me toca muito. Em primeiro lugar, porque a avaliação da dança é algo tão pessoal, mas tão pessoal, que é impossível "convencer" a gregos e troianos sobre sua técnica. Alguns vão dizer que vc "pica fumo" (ou seja, precisa aprender mais), outros vão dizer que vc é a nova Nayma Akef, enfim... isso "depends of the eye of the beholder"...

Mas em um ponto, gregos e troianos sempre concordam: algumas bailarinas têm em suas mãos o poder de te transportar para um lugar mágico, e te colocar em contato com o que há de mais lindo na essência humana. Isso, meu amigo, INDEPENDE DA TÉCNICA. Existem bailarinas em São Paulo hoje possuem a técnica apuradíssima, literalmente arrebentam, mas ao vê-las dançar você vê simplesmente... passos unidos.

Isso porque hoje a preocupação em mostrar a técnica é tão intensa que as bailarinas se esquecem TOTALMENTE de sentir prazer ao se apresentar. Para mim, o dançar começa primeiro na alma! Dançar começa com o prazer intenso que vc sente ao escutar aquela música. Começa com o seu desejo íntimo de transformar aquela música em "sua música", e de transmitir ao público que ela é uma extensão do seu corpo. Dançar é transmitir ao público a felicidade intensa que o universo te proporcionou ao estar ali fazendo o que mais gosta.

Mas isso habibas é algo a caminho da extinção! Nas apresentações que tenho visto, a única expressão que consigo ver na cara das bailarinas é "Putz, como sou foda!!", "Tô abalando hein, te segura Samya Gamal" (e me desculpem as Hadaretes, mas ela é a rainha dessa expressão egocêntrica). Cadê a felicidade? Cadê o prazer? Não tem... Já era...

Estudar a expressão não é caricaturar a dança. Não é rir demasiadamente só porque está na hora do saiide, ou "sofrer" porque está na hora do tremido. EXPRESSÃO é você contar o que está sentindo com a música. Como é que vc dança "Enta omri"? Uma música que fala de uma paixão tão profunda que transmite toda a razão de existência para o outro "Você é TODA a minha vida". De qualquer jeito? Com cara de fodona? Tem certeza?

Minha mensagem de hoje é resgatar o prazer, a vontade, a beleza de dançar, de fazer as pessoas se conectarem novamente com o belo, e consigo mesmas. Grande beijo!!!

P.S.: Olhem a delicadeza, a majestade de Ana Botafogo... e ainda dançando na ponta!!! Está demais.

11 dezembro 2008

4

Destination Anywhere

Esse é o nome do 2o CD solo do Jon Bon Jovi, e essa música uma das mais especiais pra mim. Mas usei esse título para descrever onde vão dar atitudes de algumas pessoas “raks sharki” na internet: “qualquer lugar” ou, na minha opinião “lugar nenhum”.

Sim, estou falando da Luanna Mello.

Eu sou fanzoca da Luanna, e não poderia deixar de me posicionar sobre os posts que estão rolando no multiply sobre ela. Mas resolvi escrever aqui que é “minha casa”, onde escrevo “o que quiser”, e porque, acima de tudo, minha paz não tem preço.

First of all: discordar é sempre permitido, e às vezes, até positivo. Acredito que quem é simples ADMIRADOR de dança do ventre tem um relacionamento muito diferente com a dança do que quem depende dela pra viver. Isso é ruim? Não. Acontece em 100% das profissões. Eu sou uma admiradora do Corinthians (torcedora fanática mode on: OOOOOOOOO, TODO PODEROSO TIMÃO), e acho um escândalo eles contratarem o Ronaldo fenômeno em final de carreira só para arregimentar patrocínio. Mas a verdade é que o Sr. Andrez Sanches que é quem paga a conta é que sabe onde o calo aperta. Na dança, a mesma coisa.

Para mim pode soar escandaloso que uma bailarina poste em seu blog que ela dança por dinheiro, mas e aí? Eu também, para fazer meu trabalho e prestar consultoria sobre um assunto que eu domino não dou as caras se as notinhas não estão sobre a mesa (ou na conta). Se vc não recebe seu salário, você se sente no direito de reclamar e até de não trabalhar, não é mesmo? Então, vc faz por dinheiro também? Ah ta...

Luanna tem uma postura fundamentalista em relação ao profissionalismo na dança do ventre. Concordo com ela 100%? Claro que não. Acho inclusive que é um erro rotular que é ou quem não é profissional, se quem tem tal tipo físico não é profissional, se vai ser um dia, enfim. A dança JAMAIS assume uma postura excludente, e existe mercado para TODO MUNDO. Para gordas e magras. Simplesmente porque quem dá as cartas não são as gostosonas que dançam e sim o CONTRATANTE. E se aquela bailarina que é mais gordinha quer viver de dança, mas está com dificuldade de fechar shows, ela pode aperfeiçoar a técnica, pode aprimorar sua didática e se tornar professora, coreógrafa... whatever! O fato é: ESPAÇO TEM.

Mas não posso deixar de admirar a Luanna por se esfolar de ensaiar, cuidar do corpo e lutar por um espaço que a bailarina de dança do ventre hoje ainda não tem.

Quem a critica fecha os olhos para a grandiosidade da iniciativa que ela está tomando, e os frutos quem vai colher não é só ela, são todas as bailarinas de dança do ventre que quiserem desenvolver projetos de um cunho, digamos, mais “comercial”, e a dança vai deixar de ser coisa só de “festival”, “feira de automóveis”e “casa de chá”, para se tornar uma competitiva opção de entretenimento.

O ensaio da Contigo! é outro ponto. Está muito bonito, embora eu seja meio das “antigas” e veja com um certo receio qualquer coisa que mostre um pouco mais do corpo. Porém não é direito de ninguém pixar. Putz meu, a Claudia Ohana saiu na PLAYBOY (mostrou a perereca, pra quem não sabe) para divulgar seu personagem na novela. Alguém falou que por causa disso ela seria uma atriz menos talentosa? De jeito nenhum. Tudo isso porque transferimos para a dança um pudor medieval. Quem é bailarina de dança do ventre não pode nada porque “a dança em si já evoca sensualidade”. Ah, puta merda né? Estamos no século 21 gente!!!!!!!!! E num universo em que a última moda é silicone nos peitos (que, isso sim, eu acho “demais”, se vc discordar comigo, faça um redondo grande em frente ao espelho e veja se não é muito mais apelativo – ops, tema para outro post), o povo reclama de um ensaio bonito e de bom gosto... ah pelamor viu...

Só vi críticas positivas do show da Luanna, o que me leva a crer que quem mete o pau não esteve na platéia para avaliar. Eu não fui, mas já escrevi pra ela e sou a PRIMEIRA da fila do DVD, quando sair. Acredito que quem se sente no direito de criticá-la hoje, tem por OBRIGAÇÃO de assistir ao show antes de sair falando.

Ah, e em tempo. Esse não é um post de rasgação de seda. Não ganhei ingresso grátis da Lu, e nem nenhum benefício por postar em sua defesa. Mas como já disse Jesus, o maior administrador de todos os tempos (que com 12 executivos fundou a maior empresa do planeta), daí a César o que é de César, masssssssssssssss, daí a Deus o que é de Deus.

06 dezembro 2008

1

Interpretando Om Koulthoum



Olá habibas... it´s been a long, long, long time...

Gostaria de falar hoje sobre a INFALÍVEL Om Koulthoum...

Om Koulthoum é a grande diva da música árabe, e recebeu "títulos" como "A Estrela do Leste", é uma cantora de uma qualidade de interpretação incrível, e tem em seu repertório verdadeiras jóias para qualquer estudante de dança do ventre tais como:

1. Alf leyla we leyla
2. Ana fi Intizarak
3. Leylat hob
4. Sirit el hob
5. Enta Omri (ana bahebak muuuuito, muuuuuito)
6. Amal Hayati
7. Noura
8. Daret al ayam (amo, amo, amo, amo, sempre!!!)

Essas são as mais conhecidas (e as que eu mais estudo, não vou mentir), mas o estudo dessa cantora é indispensável para toda estudante de dança do ventre. Não estou aqui defendendo saudosismo, que música boa é clássica e antiga, não!!!! Sou fã das modernosas também! Mas todas as músicas de Om "passam" por diversos ritmos e "momentos" dentro da música, que te permitem exprimir diversos tipos de sentimentos em cada estrofe: alegria, euforia, sensualidade, drama, enfim...

E por sempre nos brindar com interpretações memoráveis de Om Koulthoum, deixo com vocês a queridíssima, linda e gostosona Jade el Jabel, maravilhosa, translumbrante bailarina de São Paulo, que inclusive tem um DVD lançado com o nome do post "Interpretando Om Koulthoum". Precisa!!!


Clique aqui para baixar a belíssima Ana Fi Intezarak - by Setrak
Um beijo e bom final de semana!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...